Tensões sociais na 1ª república através de Lima Barreto

Leandro Henrique Magalhães

Resumo


O presente artigo procura demonstrar a possibilidade de se utilizar da literatura como fonte histórica, partindo das considerações de Nicolau Sevcenko em sua Obra Literatura como Missão. Para tanto, utilizei-me da obra intitulada Recordações do Escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto, afim de se fazer algumas considerações acerca do Rio de Janeiro na 1ª República.


Palavras-chave


Literatura; Primeira República; Regeneração; Aburguesamento.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, L. Recordações do escrivão Isaias Caminha. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 1961. Prefácio de Fernando Assis Barbosa.

BARRETO, L. Recordações do escrivão Isaias Caminha. São Paulo: Ática, 1995. Prefácio de Carmem Lydia de Souza Dias. Posfácio de Carlos Faraco.

CARVALHO, J. M. Os bestíalízados: o Rio de Janeiro e a república que não foi. São Paulo:Companhia das Letras, 1987.

DARNTON, R. Boêmia Literária e Revolução. São Paulo:Cia das Letras, 1987.

HOBSBAWN, E. A era dos extremos: o breve século XX (1914¬ 1991). São Paulo:Companhia das Letras, 1996.

MAYER, A.. A força da tradição: a resistência do Antigo Regime. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

RAGO, M. L. Do cabaré ao lar. a utopia da cidade disciplinar (1890-1930). São Paulo:Paz e Terra, 1985.

STAROBINSKI, J. 1789: os emblemas da razão. Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.1997v3n0p79

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br