Algumas reflexões sobre os conteúdos de história antiga nos livros didáticos brasileiros

Gilvan Ventura da Silva, Ana Teresa Marques Gonçalves

Resumo


Este artigo pretende discutir alguns aspectos do modo pelo qual os conteúdos de História Antiga são tratados nos livros didáticos brasileiros. De início, constatamos que existe uma .acentuada separação entre os espaços da sala de aula e da Universidade, de modo que o saber produzido por esta última não é sistematicamente difundido nos livros didáticos escolares. Tal problema, aliado à ausência de especialistas em História Antiga nas equipes que confeccionam os livros didáticos, contribui para uma qualidade de ensino extremamente precária quando se trata da Antiguidade, aí incluída a Pré-História. O resultado é perpetuação nos livros de inúmeras simplificações de conteúdo que comprometem, algumas vezes de modo irremediável, o trabalho pedagógico desenvolvido.


Palavras-chave


História antiga; Livro didático; Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


BITENCOURT, C. (Org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997.

BORTES, V. P. et al. O ensino de história: revisão urgente. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Programa Nacional do Livro Didático. Brasília, jan. 2000.

CARDOSO, C. E. S. et al. Modelo de produção asiático: uma visita a um velho conceito. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

CARDOSO, C. E. S. A cidade estado antiga. São Paulo: Ática, 1987.

CORASSIN, M. L. A reforma agrária na Roma Antiga. São Paulo: Ática, 1987.

DAVIES, Nicholas. O livro didático: apoio ao professor ou vilão do ensino de história. Cadernos de História, Uberlândia, v. 6, n. 6, p. 81-85, 1996.

FINLEY, M. Escravidão antiga e ideologia moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1981.

FINLEY, M. História antiga: testemunhos e modelos. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

FINLEY, M. Democracia antiga e moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FRANCO, M. L. O livro didático de história no Brasil. São Paulo: Global, 1982.

FREITAG, B. et al. O livro didático em questão. São Paulo: Cortez, 1989.

GIARDINA, A. (Org.). Imperialismo Greco-Romano. São Paulo: Ática, 1987.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: Unicamp, 1994.

LIMA, S. C. F. O livro didático de história: instrumento de trabalho ou autoridade “científica”? História e Perspectivas, Uberlândia, n. 18/19, p. 195-206, 1998.

NADAI, E. O ensino de história no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História, São Paulo, 1993.

NIDELCOFF, M. T. A escola e a compreensão da realidade. São Paulo: Brasiliense, 1980.

RADUCH, M. C. Temas de história em livros escolares. Porto: Afrontamento, 1970.

ROCHA, I. E. 1000 sites de História Antiga e Arqueologia. São Paulo: Arte e Ciência, 1997.

SILVA, M. (Org.). Repensando a história. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1994.

VERNANT, J. P.; VIDAL-NAQUET, P. Trabalho e escravidão na Grécia Antiga. Campinas: Papirus, 1989.

VEYNE, P. O inventário das diferenças. Lisboa: Gradiva, 1989.

ZAMBONI, E. (Org.). A prática do ensino de história. São Paulo: Cortez, 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2001v7n0p123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br