Sete categorias de perguntas e a interpretação de fontes históricas no primeiro grau

Regina Ferreira de Oliveira

Resumo


O artigo busca discutir uma forma construtivista de se trabalhar com História no primeiro grau. Apresenta uma análise de como sete perguntas básicas (quem, onde, quando, por que, o que, para que e como podem auxiliar o processo de relacionamento e construção de aprendizagem entre professores e alunos.


Palavras-chave


Aprendizagem; Ensino; Conhecimento; História; Metodologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AEBLI, H. Prática de ensino. São Paulo: EDUSp, 1982.

BECKER, F. A epistemologia do professor: o cotidiano na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1996

CARRETERO, M. Construir e Ensinar as Ciências Sociais e a História. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

COLLINGWOOD, R.C. Idea de la Historia. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

DELVAL, J. Crescer e pensar: a construção do conhecimento na Escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

ELIAS, N. Sobre el tiempo. Madrid: Fondo de Cultura Económica, 1989.

PIAGET, J. O nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: Guanbara, 1987.

PIAGET, J. A construção do real na criança. São Paulo: Ática. 1996.

PIAGET, J. A noção de tempo na criança. Rio de Janeiro: Record, 1946.

SILVA, L. L. C. Metodologia de aprendizagem baseada em Jean Piget. Londrina, 1997. Mimeo.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2002v8n0p215

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br