O ensino de história nas séries iniciais: cruzando as fronteiras entre a história e pedagogia

Sandra Regina Ferreira de Oliveira

Resumo


Este artigo propõe uma reflexão sobre as dificuldades que professores e historiadores encontram em transportar os avanços historiográficos para o contexto escolar e materiais didáticos. Paralelamente, propõe suceder discussões a respeito do lugar do ensino de História nas séries iniciais do ensino fundamental. Quais as representações que os professores generalistas têm a respeito da história, do passado, do ensino de História? Como os professores articulam o conhecimento espontâneo dos alunos sobre o passado, fruto das relações sociais estabelecidas com seu meio social, com a História ensinada na escola? Os resultados aqui apresentados são parciais e foram elaborados a partir de entrevistas com professores de terceira série e da análise dos guias de livros didáticos da área.


Palavras-chave


História; Ensino; Aprendizagem; Tempo; Passado; Livro didático.

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, K. M. Temporalidade e Didática da História. In: ZAMBOM, E; CERRI, L.F; MARTINS, M. C. (orgs.). Anais do III Encontro Nacional de Pesquisadores do Ensino de História. Campinas: Gráfica da FR/UNICAMP, 1999. p.31-36.

ARAÚJO, H. M. M. Tempo-Kei: a noção de tempo em adolescentes de 10 a 14 anos: implicações para o ensino de História. 1998. Dissertação(Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

BARCA. I. O Pensamento Histórico dos jovens. Braga: Ed. Universidade do Minho. 2000.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Guia de livros Didáticos 1ª a 4ª séries: PNLD/98. Brasília: Imprensa Nacional, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Guia de livros Didáticos 5º a 8ª séries. PNLD/99. Brasília: SEF/MEC; FNDElMEC; CENPEC, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Guia de livros Didáticos, Geografia e História. Brasília: MEC, 2003. v. 3. Disponível em: http://www.mec.gov.br/seflfundamentaV avaliv.shtm Acesso em: 4 abr. 2003.

CARDOSO, S. H. B. Discurso e ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

CARRETERO, M. Construir e Ensinar: as Ciências Sociais e a Histôtia. Porto Alegre: Artes Médica, 1997.

DUTHA, S.E. As crianças e o desenvolvimento da temporalidade histórica. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFlVIG, 2003. 245 p

DUTHA, S.E. O ensino de história para crianças. Revista Presença Pedagógica, v. 6, n. 31, p.61-69, jan./fev. 2000,

FORQUTN, J. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porlo Alegre: Artes Médicas, 1993.

GAUTHIER, C. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. ljuí,RS: Editora UNIJUÍ, 1998.

GILLY, M. As representações sociais no campo da educação. In: JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 200

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas: 1997.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo avida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (orgs.). Textos em representações sociais. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Unicamp, 1994

LERNER, D. O Ensino e o aprendizado escolar: argumentos contra uma falsa oposição. In: CASTORINA, J. A. et al. Piaget e Vygotsky: novas contribuições para o debate. São Paulo; Ática. 1996.

LOWENTHAL, D. Como conhecemos o passado. Projeto História, São Paulo, v. 17, 19,. 1998.

OLIVEIRA, S. R. F. Otempo, a criança e o ensino de História. In: ZAMBONI, E.; ROSSI, Y .L. S. Quanto tempo o tempo tem. Campinas: Alínea, 2003. p. 145 - 172.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade theria e prática? São Paulo: Cortez, 1997.

ROCKWELL, E.; EZPELETA, J. A escola: relato de um processo inacabado de construção. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1989.

SALVADOR C.C. Aprendizagem escolar e construção do saber na escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

SCHMIDT, M.A.; CAINELLI, M. (org.). Anais do III Encontro: Perspectivas do Ensino de História. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1999.

SCHMIDT, M. A. A formação do professor de história e o cotidiano de sala de aula. In: BITTENCOURT, C. (org.). O saber histórico na sala de aula. 4. Ed. São Paulo: Contexto, 2001.

SILVA, C. S. B. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. Campinas, SP: Autores Associados, 1999,

SILVA, M. Como se ensina e como se aprende a ser professor. Bauru: EDUSC, 2003.

SIMAN, L. M. C. A temporalidade histórica como categoria central do pensamento histórico: desafios para o ensino e a aprendizagem. In: ZAMBONI, E.; ROSSI, V. L. S. Quanto tempo o tempo tem. Campinas: Alínea, 2003. p. 109- 143.

TARDIF, M. Saberes docentes e fonnação profissiona.L Petrópolis: Vozes, 2002.

VEIGA, L. P.A.; SOUSA, J. V.; RESENDE, L. M. G.; DAMIS, O. T. Licenciatura em Pedagogia: realidades, incertezas, utopias. Campinas, SP: Papirus, 1997

ZAMBONI, E. O desenvolvimento das noções de espaço e tempo na criança. Cadernos CEDES, Campinas, n. 10, p. 63-71, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2003v9n0p259

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br