A história ensinada: algumas configurações do saber escolar

Ana Maria F. C. Monteiro

Resumo


O ensino de História tem sido objeto de grande interesse, constituindo um campo de pesquisas em desenvolvimento no Brasil. Nesse sentido, os autores que utilizam os conceitos "saber escolar" (Forquin, Develay, Lopes), "disciplina escolar" (Chervel, Goodson), "transposição didática" (Chevallard, Develay, Moniot) e "mediação didática” (Lopes), oferecem perspectivas promissoras para a compreensão de processos característicos da cultura escolar, cuja especificidade passa a ser reconhecida e considerada. A utilização exclusiva do instrumental teórico da pesquisa historiográfica para a análise de saberes e práticas constituintes de uma cultura com lógicas e dinâmicas próprias, produziu alguns equívocos com a identificação de erros onde, muitas vezes, havia diferenças. Este artigo tem por objetivo discutir algumas construções próprias do saber escolar, identificadas e analisadas na dimensão do chamado currículo em ação, ou seja, da história ensinada, onde o instrumental teórico da historiografia se articula com aquele oriundo do campo da pesquisa educacional para abordar construções elaboradas para o ensino escolar, nas quais a instituição está imbricada com a finalidade educativa.


Palavras-chave


Ensino de história; Saber histórico escolar; História ensinada; Mediação didática; Construções conceituais; Currículo em ação.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. Ideologia e currículo. São Paulo, Brasiliense,1982.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. História. Brasília, MEC/SEF/1998.

CAILLOT, M. La théorie de la transposition didactique est-elle transposable? In: RAISKY, C.; CAILLOT, M. (ed.). Au-delà des didactiques, le didactique. Débats autour de concepts fédérateurs. Paris: De Boeck, 1996.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

CHEVALLARD, Y. La transposicion didactica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, s.d.

CHEVALLARD, Y. La transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La Pensée Sauvage, 1985.

DEVELAY, M. De l'apprentissage à l'enseignement: pour une épistémologie scolaire. Paris: ESF Éditeur,1992.

DEVELAY, M. Savoirs scolaires et didactiques des disciplines: une encyclopédie pour aujourd'hui. Paris,ESF Editeur,1995.

FORQUIN, J.C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 5, p.28-49, 1992.

FORQUIN, J.C. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes médicas,1993.

FORQUIN, J.C. Evoluções recentes do debate sobre a escola, a cultura e as desigualdades na França" IN: FRANCO, C. (Org.). Avaliação, ciclos e promoção na Educação. Porto Alegre, Artmed, 2001.

FURET, F. O nascimento da História. in: FURET,F. A oficina da História. Lisboa: Gradiva, s.d.

GAUTHIER, C. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 1998.

GÓMEZ.A.P. O pensamento prático do professor. A formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. (arg.). Os professores e sua formação. Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1995.

GOODSON, I. Tornando-se uma matéria acadêmica: padrões de explicação e evolução. Teoria & Educação, Porto Alegre. n. 2, p. 230-254, 1990.

GOODSON, I. Crrículo: teoria e história. 2. ed. Petrópolis, RJ,: Vozes, 1998.

KOSEIlECK, R. Historia magistra vitae: the dissolution of the topos into the perspective of a modernized historical process.. In: KOSEIlECK, R. Futures Past: On the Semantics of Historical Time. Cambridge: The MIT Press, 198i. p. 26-42

KOSEIlECK, R. Le Futur passé, contribution à la sémantique des temps historiques, traduit de l'allemand par Jochen Hoock et Marie-Claire Hoock, Paris, Editions de l'EHESS, 1990.

KOSEIlECK, R. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Revista de Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992.

LAUTIER, N. Enseigner l'Histoire au Lycée: formation des enseignants. Professems des lycées. Paris: Arnand Colin 1997.

LOPES, A. R.C. Conhecimento escolar: processos de seleção cultural e mediação didática. Educação & Realidade, v. 22, n. 1, p. 95-112, jan./jun.1997.

LOPES, A. R.C. Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro. Ed. Uerj, 1999.

LOPES, A. R.C. Questões para um debate sobre o conhecimento escolar. Ensino História: Revista do Laboratório de Ensino de História da UFF, n. 3,out.1999.

MARTlNAND, J. L. Connaître et transformer la matière: des objectifs pour l'initiation aux sciences et techniques. Berne: Peter Lang,1986.

MARROC, H. I. Do conhecimento histórico. 3. ed. Lisboa: Ed. Pedagógica Universitária, 1974.

MONIOT,H. Didactique de L'Histoire. Paris, Edition Nathan, 1993.

MONTEIRO, Ana Maria E da C. Ensino de História: entre saberes e práticas. 2002. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

MOREIRA, A. F.B.; SILVA, T. T. Currículo, utopia e pôs-modernidade. In: MOREIRA, A. E. B.(org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997.

MOREIRA, A. F.B.; SILVA, T. T. Currículo: questões atuais. Campinas, Papirus,1997.

PASSERON, J. Cl. Le raisonnement sociologique: L'Espace non popperien du raisonnement naturel. Paris: Natha, 1991.

PROST, A. Douze leçons sur l'histoire. Paris, Seuil, 1996.

SILVA. T T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

WEBER, M. Essais sur la théoJie de Ía sôence.Paris: Plon,196S.

YOUNG, M. Knowledge and Control. Londres:Collier-Macmillan,1971.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2003v9n0p9

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br