Alternativa de intervenção social para o estágio supervisionado: minicursos em questão

Isaíde Bandeira Timbó

Resumo


Este artigo propõe uma reflexão sobre o Estágio Supervisionado e o Ensino de História. Tendo como pressuposto o trabalho com projetos de minicursos, visto como uma intervenção sócio-pedagógica concreta no cotidiano escolar e na formação docente do historiador-educador. Nesta perspectiva viabiliza ainda a extensão universitária, através de uma relação dialógica entre Universidade e diferentes escolas da comunidade.


Palavras-chave


Formação docente; Estágio supervisionado; Ensino de história.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâlnetros Curriculares Nacionais: história. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Ciências Humanas e suas tecnololigas. Brasília: :MEC, 1999.

CERTEAU, M.A invenção do cotidiano: arte de fazer Tradução de Ephraim Frerreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994

CORAZZA, S. M. Planejamento de Ensino como Estratégia de Política Cultural. In.: MOREIRA, A. F. B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997.

DEMO, P. Educação e Qualidade. Campinas: Papirus, 1994.

FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino. São Paulo: Papirus, 2003

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução de Jussara Haubert. Porto Alegre: Art Med, 1998.

LIMA, M. S. L. A Hora da Prática: reflexões sobre oestágio supervisionado. Fortaleza: Ed. Demócrito Rocha, 2001.

NEVES, J. Perspectivas do Ensino de História: Desafios Político Educacionais e Historiográficos. In.: OLVElRA, M. V. D. Contra o Consenso: LDE, DCN PCN e Reformas no Ensino. João Pessoa: Edi. Sal da Terra, 2000.

NIKITIUK, S. L. (org.) Repensando oEnsino de História. São Paulo: Cortez, 1996.

OLIVEIRA, M. M. D. O Ensino de História como Objeto de Pesquisa. SAECUlUM: Revista de História, João Pessoa, No. 6/7, jan./dez. 2000/2001.

PINSKY, C.; PINSKY, J. O que e como Ensinar: Por uma História Prazerosa e Conseqüente. In.: KARNAL, L. (Org.). História na Sala de Aula: Conceitos, Práticas ePropostas. São Paulo: Contexto, 2003

SCHMIDT, M. A. Saber Histórico na Sala de Aula. In.: ANAIS.ll do Encontro Perspectivas do Ensino de História. Curitiba: Aos 4 ventos, 1999.

SILVA, T. T. O Currículo como Fetiche: a poética e a política do texto curricular. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOUSA NETO, M. F. A Aula. Professor do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceará. Mimeo.

TIMBÓ, I. B. Aprendendo a ensinar. Revista Nossa História, Rio de Janeiro, ano 2, n. 16 fev. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2006v12n0p123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br