Contar a vida, pensar a história: experiências na utilização das fontes orais no ensino da história

Cleusa Maria Gomes Graebin, Rejane Silva Penna

Resumo


O artigo tem como objetivo refletir sobre os depoimentos orais como fontes para o estudo e o ensino da história e mostrar experiências de trabalho com fontes orais no ensino fundamental e no superior. Metodologicamente, abordamos a incorporação, ao ofício do historiador, das fontes orais como documentos e, consequentemente, o que podemos esperar deste tipo de fonte. Discutimos sobre a incorporação das fontes orais ao ensino de história em todos os graus de ensino e apresentamos exemplos de experiências de aplicação das fontes orais em sala de aula.


Palavras-chave


História; Memória; Fontes orais; Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, V. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de janeiro: FGV, 1990.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 6.ed. São Paulo: Schwarcz Ltda, 1998.

CAMARGO, A. Como a História Oral chegou ao Brasil. Simpósio Nacional da Associação Nacional de História (20:1999: Florianópolis), História:fronteira. Associação Nacional de História. São Paulo: HumanitasJFFLCH/USP/ANPUH, 1999. v.2

CARRAHER, D. W. Agrande função da escola: ensinar a pensar. Sala de Aula, ano 1, n. 3, jun. 88.

COSTA, S. G. Gênero e História. In: ABREU, M.; SOIHET, R. Ensino de história: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de janeiro: Casa da Palavra, 2003.

CRUIKSHANK, J. Tradição oral e história oral: revendo algumas questões". In: AMADO, J.; FERREIRA, M. M. (Coord.). Usos e abusos da História Oral. Rio de janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1996.

DEBERT, G. Problemas relativos à utilização da história de vida e história oral. In: CARDOSO, R. (org.). Aventura antropológica, teoria epesquisa. Rio de]aneiro: Paz e Terra, 1986.

FERREIRA, M. M. (org). História Oral e Multidisciplinaridade. Rio de Janeiro: Diadorim, 1994.

FERREIRA, M. M.; AMADO, J. (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

HERNÁNDEZ, F.; VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho: oconhecimento é um caleidescópio. 5. ed. São Paulo: Artmed, 1998.

LOPES, M. A.; COSTA, S. G. Gênero e História. In: ABREU, M.; SOIHET, R. Ensino de história: conceitos, temática e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

MANIQUE, A. P., PROENÇA, M. C. Didáctica da história: patrimônio história local. Lisboa: Texto Editora. 1994.

MEIRY, C. S. B. Manual de história oral. 2. Ed. São Paulo: Loyola, 1998.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-46, dez. 1993.

PENNA, R. A utilização da sfontes orais na historiografia do Rio Grande do Sul: novas perspectivas ou falsos. 2003. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

PORTELLI, A. Tentando um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na história oral. Projeto História, São Paulo, n. 15, p.13-50, abr. 1997.

REVEL, J. Microanálise e construção do social. In: REVEL, J. Jogos e escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeim: Editora da UFGV, 1998.

SARLINS, M. Ilhas de bistória. Rio de Janeiro: Zahar, 1990,

SILVA, H. R. Entre memória e História em Paul Ricoeur. In: LOPES, M. A. Grandes nomes da história intelectual. São Panlo: Contexto, 2002.

THOMPSON, P.A Voz do Passado: história oral. 2. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

VlEIRA, P. et al. A pesquisa em história São Paulo: Ática, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2006v12n0p83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br