Conhecimento e aprendizagem histórica: tensões entre as perspectivas da transposição didática e da literacia histórica a partir da experiência de professores

André Luiz Batista Silva

Resumo


O presente estudo origina-se de investigação realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná nos anos de 2010 e 2011. O estudo tem como premissa discutir e explicitar as tensões existentes na aprendizagem histórica no contexto escolar entre as perspectivas didáticas da transposição didática (CHEVALLARD, 2005) e da literacia histórica (LEE, 2006; BARCA, 2006). Para tanto, investigou-se que concepções de aprendizagem da histórica possuem professores dessa disciplina e se tais tensões apresentam-se em seus relatos. Os resultados indicam que as concepções de aprendizagem histórica dos professores investigados contêm elementos tanto da transposição didática quanto da literacia histórica, evidenciando-se como isso que essa tensão indica por um lado o conflito entre um processo de didatização da história e a sua natureza específica.

Palavras-chaves: Aprendizagem histórica. Conhecimento histórico. Transposição didática. Literacia histórica. Professores de História.


Palavras-chave


Aprendizagem histórica; Conhecimento histórico; Transposição didática; Literacia histórica;Professores de História.

Texto completo:

PDF

Referências


ANHORN, C. T. G.. Um objeto de ensino chamado História: a disciplina de História nas tramas da didatização. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2003.

BARCA, I. Literacia e consciência histórica. Educar em Revista. Curitiba, n.164, 2006 (Dossiê Educação Histórica). CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. 3 ed. Buenos Aires: Aique: Grupo Editor, 2005.

CUESTA FERNANDEZ, R. Sociogénesis de una disciplina escolar: la História. Barcelona: Ediciones Pomares-Corredor, 1997. FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GRENDEL, M. T. De como a didatização separa a aprendizagem histórica de seu objeto: estudo a partir da análise de cadernos escolares. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

LEE, P. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar em Revista. Curitiba, n. 164, 2006. (Dossiê Educação Histórica).

LEITE, M. S. Contribuições de Basil Berstein e Yves Chevallard para a discussão do conhecimento escolar. Dissertação (Mestrado em Educação) - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2004.

LEITE, M. S. Recontextualização e transposição didática: introdução à leitura de Basil Bernstein e Yves Chevallard. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002.

LOWENTHAL, D. Como conhecemos o passado. Projeto História, São Paulo: PUCSP, n. 17, 1998. p. 63-201 MONTEIRO, A. M. Ensino de História: entre saberes e práticas. Tese (Doutorado em Educação) - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2002.

OAKESHOTT, M. Sobre a História e outros ensaios. Rio de Janeiro: Liberty Classics, TopBooks, 2003.

RÜSEN, J. El desarrollo de la competencia narrativa em el aprendizaje histórico. Una hipótesis ontegenética relativa a la consciência moral. Revista Propuesta Educativa. Buenos Aires, Ano 4, n. 7, p. 27-36. oct. 1992.

RÜSEN, J.Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UnB, 2001.

RÜSEN, J.Como dar sentido ao passado: questões relevantes de metahistória. Revista História da Historiografia, UFOP, n. 2, 163-209, 2009.

RÜSEN, J.Aprendizado histórico. In: SCHMIDT, M.A.; BARCA, I.; MARTINS, E. R. Rüsen e a educação histórica. Curitiba: Ed. UFPR, 2010a.

RÜSEN, J.Experiência, interpretação, orientação: as três dimensões da aprendizagem histórica. In: SCHMIDT, M. A.; BARCA, I.; MARTINS, E. R. Rüsen e a educação histórica. Curitiba: Ed. UFPR, 2010b.

RÜSEN, J.Narratividade e objetividade nas ciências históricas. In: SCHMIDT, Maria A. M.; BARCA, I.; MARTINS, E. R. Rüsen e a educação histórica. Curitiba: Ed. UFPR, 2010c.

SCHMIDT, M. A. M. dos S. Concepções de aprendizagem histórica presentes em propostas curriculares brasileiras. História Revista UFG, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 203-213, jan/jun, 2009.

THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

URBAN, A. C. Didática da História: percursos de um código disciplinar no Brasil e na Espanha. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2012v18n1p49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br