O imperador e as ciências: sobre a construção de um mito

Alda Heizer

Resumo


O presente artigo pretende apontar algumas considerações sobre como uma dada historiografia dos anos 1920, 1930 e 1940 enfatizou em sua produção a exemplaridade do imperador Pedro II. É possível reconhecer que os trabalhos realizados no período citado atualizaram uma certa imagem do imperador com o objetivo de construir uma tradição científica, parte de um projeto intelectual, que concebe a cultura e a política como construtores de uma identidade coletiva. Pretende-se, ainda, apresentar alguns elementos que nos permitem identificar como esta imagem do imperador Pedro II é atualizada nos museus, nos livros didáticos de história e nas pesquisas de História das Ciências, em particular.


Palavras-chave


Identidade; Cultura; Política.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, C. H. M. O encontro do rei com Vênus: a trajetória do Observatório do Castelo no ocaso do Império. 1994. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1994.

BARBUY, H. O Brasil vai a Paris em 1889: um lugar na Exposição Universal. Anais do Museu Paulista: História eCultura Material, São Paulo, v. 4, 1996.

CALMON, P. O Rei Filósofo: vida de D. Pedro lI. São Paulo: Editora Nacional, 1938.

DANTES, M. A. (org.). Espaços da Ciência no Brasil. 1800-1930. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2001. (Coleção História e Saúde)

DUBY, G.; LARDREAU, G. A memória e o que ela esquece. In: Diálogos sobre a Nova História. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1989.

EDMUNDO, L. O Rio de Janeiro do meu tempo. Rio de Janeiro: Conquista, 1957. v.2.

FONSECA, M. R. F. As conferências populares da Glória: a divulgação do saber científico. Revista Manguinhos, nov 1995/fev 1996.

FREYRE, G. Ordem e Progresso. Rio de Janeiro: José Olympio, 1959. v. 1.

GOMES, Â. M. C. A Redescoberta do Brasil: revolução e questão social. In: GOMES, Â. M. C. Estado Novo: ideologia e poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

HEIZER, A. Uma casa exemplar:pedagogia, memória e identidade no Museu Imperial. Rio de Janeiro. 1994. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

HEIZER, A. Observar oCéu e medir a Terra: instrumentos científicos e a Exposição de Paris de 1889. 2005. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Caponas, Campinas, 2005.

KUHLMANN JÚNIOR, M. As grandes festas didáticas: a educação brasileira ea s exposições internacionais (J862-1922). Bragança Paulista: Universidade São Francisco, 2001.

LOPES, M. M. O Brasil descobre a pesquisa cientifica: os museus e as ciência naturais no século XIX. São Paulo: Hucitec, 1997.

MARINHO, P. E. M. M. Engenharia imperial: o Instituto Politécnico Brasileiro (1862-1880). 2002. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2002.

MATTOS, I. R. O tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec, 1987.

MATTOS, S. R. OBrasil em lições: a história como disciplina escolar em Joaquim Manoel de Macedo. Rio de Janeiro: Access, 2000.

NABUCO, J. Minha formação. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

SALLES, R. Nostalgia Imperial: a formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

TAUNAY, V. Pedro lI. São Paulo: Ed. Nacional, 1993.

TURAZZI, M. I. Poses e trejeitos: a fotografia na era dos espetáculos. Rio de Janeiro: Roco, 1995.

VIDEIRA, A. A. P. Sob os céus do Brasil: os 150 anos do nascimento de Luis Cruls. Rio de Janeiro: MCT, 1998




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2006v12n0p35

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br