A Lei nº 10639/03: entre práticas e políticas curriculares

Rosemeire dos Santos

Resumo


O presente artigo pretende tecer algumas considerações sobre a Lei nº10639/03, que está próxima de completar oito anos de sua promulgação e cuja implementação ainda não produziu os resultados esperados, levantando-se alguns pontos de dificuldade na sua efetivação. Utilizando parte de um projeto, ainda em desenvolvimento, procuraremos fazer uma reflexão justamente sobre as dificuldades de realização da Lei. Dessa reflexão nasceram algumas indagações que buscaremos discutir ao longo do texto, a saber: como os professores estão se apropriando desta lei? Quais são as possíveis resistências enfrentadas? Chegando a mais indagações do que respostas esse artigo procura mostrar que uma lei não é o bastante no intuito de se corrigir distorções históricas sofridas por negros e afrodescendentes, é preciso acrescer a ela um intenso trabalho de formação dos professores, que realizaram o trabalho junto aos alunos, suscitando primeiro neles o interesse e significação para que se considere legítimo mudar sua prática ou que se crie uma nova.

Palavras-chave


Currículo; Apropriação de professores; Lei nº10639/03; Afrodescendentes

Texto completo:

PDF

Referências


CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, n. 2, 1990.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Trad. Ephraim Ferreira Alves. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

FERNANDES, J. R. O. Ensino de história e diversidade cultural: Desafios e possibilidades. Cadernos Cedes, Campinas, v. 25, n. 67, set./dez. 2005.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Trad. Atílio Brunetta Petrópolis: Vozes, 2005.

LIMA, S. M. Z; SOUZA NETO J. M. G. A Literatura, fonte primária para o Ensino de História da África. Disponível em: www.anpuhpb.org/anais_xiii_eeph/textos. Acesso em 30 jun. 2011.

MONTEIRO, A. M.; GASPARELLO, A.; MAGALHÃES, M. S. Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

MOREIRA, J. H. S.; PEREIRA, J. S. Do conteúdo a recepção: o guia do livro didático de história (2005/2008). História & Ensino, Londrina, v. 15, Londrina, 2009.

MUNAKATA, K. O livro didático e o professor: entre a ortodoxia e a apropriação. In: MONTEIRO, Ana Maria et. al. (Org.). Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Faperj/Mauad, 2007.

ROCHA, L. C. P. Lei 10639/03: Desafios e perspectivas para a implementação dos conteúdos afro-brasileiros nas escolas. In: SOUZA, M.H.V (Org.). Relações raciais no cotidiano escolar: diálogos com a lei 10639/03. Rio de Janeiro: Rovelle, 2009.

SACRISTÁN, J.G.; GOMES, A.I.P. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SANTOS, L.; SIMAN, L. M. C. O que dizem os professores sobre o sistema de cotas para negros nas universidades públicas. História e Ensino: Revista do Laboratória de Ensino de História/UEL, v. 14., Londrina, 2008.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. “Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação e Sociedade, v. 21, n.73, dez.2000.

WEDDEBURN, M. C. Novas bases para o ensino da história da África no Brasil. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal no. 10.639/03. Brasília: MEC/B1D/UNESCO, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2010v16n1p41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br