Leitores e leituras em aulas de história: professores, alunos e a inventividade sobre o livro didático

Jeferson Rodrigo da Silva

Resumo


Este texto é o resultado de uma pesquisa, iniciada em 2008, cujo objetivo era estudar as práticas de leitura do livro didático de História por professores e alunos. A partir do diálogo com autores relacionados à História da Leitura e com as ideias de Michel de Certeau, desenvolvidas, principalmente, na obra A invenção do cotidiano, as práticas de leitura são apresentadas como práticas inventivas e criativas no cotidiano da sala de aula. Para o estudo da leitura, foi realizado um trabalho amplo, envolvendo a observação das aulas de História, a aplicação de questionários, entrevistas e a análise do livro didático utilizado. Para efeito comparativo, a pesquisa foi realizada com dois professores e duas turmas de 8ª série (9º ano) do ensino fundamental de escolas diferentes e que utilizavam o mesmo livro didático. As conclusões permitiram constatar a existência de uma tensão entre o professor, o aluno e o livro didático em que a “credibilidade” atua como elemento fundamental das práticas de leitura do livro didático.

Palavras-chave


Manuais Didáticos; Apropriações de lietura

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Luísa T. Aula de história: cultura, discurso e conhecimento. 2006. 280 f. Dissertação (mestrado em Educação) – UFMG, Belo Horizonte, 2006.

ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da prática escolar. 5 ed., São Paulo: Papirus, 2000.

BITTENCOURT, C. Livros didáticos entre textos e imagens. In BITTENCOURT, C. Org.). O saber histórico na sala de aula. 2 ed. São Paulo: Contexto, 1998. p. 69-90.

BITTENCOURT, C. Livro didático e saber escolar: 1810-1910. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2003.

CERTEAU, M. A escrita da história. 2 ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CHARTIER, R. Do livro à leitura. In: CHARTIER, R. (Org.). Práticas da Leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1998. p. 77-106.

CHARTIER, R. As revoluções da leitura no ocidente. In ABREU, M. (Org.). Leitura, História e História da Leitura. Campinas: Mercado de Letras/ALB/FAPESP, 2002. p. 19-31.

DENIPOTI, C. A magna causa da educação. In XIV ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA - SUJEITO NA HISTÓRIA: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES. v. 2., São Paulo: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1998. p. 85- 109.

GOULEMOT, J. M. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas da Leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1998. p. 107-116.

MUNAKATA, K. Livro Didático: Produção e Leituras. In: ABREU, Márcia. (Org.). Leitura, História e História da Leitura. Campinas: Mercado de Letras/ALB/FAPESP, 2002. p. 577-594.

PROJETO ARARIBÁ: História. Moderna: São Paulo, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2010v16n1p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br