Sobre a cultura do tempo e o livro didático de história

Yara Cristina Alvim, Sonia Regina Miranda

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de constituição da temporalidade nos livros didáticos de História contemporâneos. Parte do pressuposto de que este material é um produto complexo, cujo processo de produção está sujeito à intervenção de diversos agentes, integrando uma teia de saberes, valores e perspectivas teóricas. Assim, compreendemos que a constituição dos conteúdos veiculados no material didático está diretamente ligada a esta teia de saberes múltiplos, próprios do conhecimento histórico científico. A partir dessa perspectiva, procuramos analisar o livro didático na sua relação com a historiografia moderna e a historiografia renovada, buscando perceber as formas pelas quais a temporalidade histórica é apresentada aos alunos e os valores e sentidos que emergem a partir de dessa apresentação. O artigo apresenta os resultados da investigação das coleções didáticas mais adotadas na cidade de Juiz de Fora, a partir do processo de escolha de livros didáticos do PNLD de 2005, O foco analítico concentra-se na análise da relação entre o conteúdo do livro didático e a produção histórica, bem como as relações entre a renovação historiográfica e o perfil das obras didáticas disponíveis para o mercado.


Palavras-chave


Livro didático; Temporalidade; Ensino de história.

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, K. M. Temporalidade e didática da história. In: Anais do III Encontro de Pesquisadores do Ensino de História. Campinas, SP, 1999.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995.

BITENCOURT, C. M. F. Apresentação. Educação e Pesquisa, v. 30, n.3, 2004.

CHESNEAUX, J. Devemos fazer tabula rasa do passado? São Paulo, Brasiliense, 1986.

CHOPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, v.30, n. 3, 2004.

CARDOSO, C. F. História e paradigmas rivais. In: CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. Domínios da História. Rio de Janeiro, Campus, 1997.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. 2. ed. Bauru: EDUSC, 2002.

DOSSE, F. A história em Migalhas. Campinas: Unicamp, 199.

DOSSE, F. A História à prova do tempo: da história em migalha ao resgate do sentido. São Paulo, UNESP, 2001.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

FONTANA, J. História: análise do passado e projeto social. São Paulo, EDUSC, 1998.

GAGNEBIN,J. M. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1994.

GATTI, D. A escrita escolar da História. Bauru: Edusc, 2004.

GUIA de Livros Didáticos 2005. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Infantil e Fundamental, 2004. v.5: História.

HOBSBAWM, E. J. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

JENKINS, K. A história repensada. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

MUNAKAUI, K. Histórias que os Livros Didáticos contam, depois que acabou a ditadura no Brasil. In: FREITAS, M. C. (org). Historia brasileira em perspectiva. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2001.

MIRANDA, S. R.; LUCA, T. R. O livro didático de História hoje: um panorama a partir do PNLD. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.24, p.123-144, 2004.

RAGO, M. O historiador e o tempo. In: ROSSI, V. L. S.; ZAMBONI, E. (orgs.). Quanto tempo o tempo tem! Campinas, SP: Alínea, 2003

ROSSI, P. Naufrágios sem espectador. São Paulo, UNESP, 2000.

THOMPSON, E. P. Tempo, disciplina de trabalho e capitalismo industrial. In: THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2008v14n0p115

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br