Tempo histórico e cronologia: o conhecido e o ensinado por professoras dos anos iniciais

Magda Madalena Tuma

Resumo


Expressando a pluralidade do tempo histórico o contexto sociocultural de sua construção e sendo a cronologia também representativa de seu tempo e espaço, intentamos neste estudo, o reconhecimento de pressupostos de mudanças recentes na historiografia, especificamente na cronologia, em discursos e ações pedagógicas de quatro (4) professoras da quarta (4ª) série do ensino fundamental. As alternativas buscadas pelas professoras para este ensino foram analisadas, tendo em vista a repercussão da formação docente sobre estas opções e explicações para o ensino de História. Tendo como referencial os pressupostos teóricos advindos do movimento dos "Les Annales", a pesquisa foi realizada por meio de duas entrevistas semidiretivas, observação do espaço escolar e das aulas das professoras, além da coleta e análise de livros didáticos, cadernos dos alunos, currículo escolar e programas de disciplinas do curso superior de História. Figuram dentre os referenciais teóricos utilizados para este estudo as contribuições de Piaget, Vygotsky, M. Bloch, L. Febvre, Furet, Certeau, Le Goff, Nora, Rüsen e Kosseleck.


Palavras-chave


Ensino de história; Formação de professores; Tempo histórico; Cronologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BLOCH, M.L. B. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro. Ed. Zahar, 2001.

BRAUDEL, F. Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 1978.

CERTEAU, M. A história: uma paixão nova. In: LE GOFF, J. et al (orgs.). A nova história. São Paulo: Edições 70, 1977

CHARTIER, R. A História Cultural: Entre Práticas e Representações. Rio de Janeiro: Difel, 1990.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio cle Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

ELIAS, N. sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

LAHIRE, B. Homem plural: os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.

LÉVI-STRALSS, C. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989.

MARTINS, M. C. A história prescrita e disciplinada nos curriculos escolares: quem legitima esses saberes? Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

PEARCE, W.B. Novos modelos e metáforas comunicacionais: a passagem da teoria à prática, do objetivismo ao construcionismo social e da representação à reflexividade. In: SCHNITMAN, D. F. Novos paradigmas de cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1976. Cap. 9, p. 172-187.

PELBART, P. P. O tempo não-reconciliado: imagens de tempo em Deleuze. São Paulo: Perspectivas, 2004. (Coleção Estudos).

REIS, J. C. Tempo, história e evasão. Campinas: Papirus, 1994.

RUSEN,J. Razão histórica: teoria da história: os fundamentos da ciência hisórica. Brasília: UNB, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2009v15n0p85

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br