Educação para a comunidade: algumas perspectivas para o ensino de história

Philippe Delfino Sartin

Resumo


A proposta deste artigo é, numa palavra, traçar um itinerário, uma espécie de programa teórico, como perspectiva para o Ensino de História, resumindo nossa posição com relação ao sentido a ser ensejado por qualquer meio de Educação – especialmente a Educação Formal, por ser o mais abrangente – como um valor transcendente à prática da Ciência da História, que dela se serve, constituindo-a em sua própria legitimidade. Nossas observações terão como ponto de partida a Teoria da História de Jörn Rüsen e a “Filosofia do Diálogo” de Martin Buber.


Palavras-chave


Comunidade; Formação; Ensino de História

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

ALMEIDA, H. T. de; WEIS, Luiz. Carro zero e Pau-de-arara: o cotidiano da oposição de classe média ao regime militar. In NOVAIS, F. (Coord.); SCHWARTZ, L. M. (Org.). História da Vida Privada no Brasil. Contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 319-409.

ARAÚJO, P. C. de. Eu não sou cachorro não. Música Popular Cafona e Ditadura Militar. RJ/SP: Record, 2002, p. 51-82.

AZEVEDO, J. M. L. de. A Educação como Política Pública. São Paulo: Editora Autores Associados, 1997.

BENJAMIN, W. Obras Escolhidas. Volume I. Brasiliense, 1999.

BENJAMIN, W. Passagens. SP: Editora da Unicamp, 2009.

BERGAMANN, K.. “A História na Reflexão Didática”. Revista Brasileira de História. São Paulo. v. 9, n. 19, p. 29-42, set. 89/ fev. 90.

BOULOS JR, A. História, sociedade e cidadania. 9° ano. São Paulo: FTD, 2009.

BLOCH, Marc. O oficio do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

BUBER, M. Eu e Tu. São Paulo: Centauro, 2001.

BUBER, M. Sobre Comunidade. São Paulo: Perspectiva, 2008.

CERTEAU, M. de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

DILTHEY, W. Teoria de las concepciones del mundo. Revista de Occidente, Madrid, 1974.

FERREIRA JR, Amarílio; BITTAR, Marisa. Educação e ideologia tecnocrática na ditadura militar. Cadernos CEDES, Campinas, v. 28, n. 76, dez/2008.

FICO, Carlos. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Revista Brasileira História, São Paulo, v. 24, n. 47, 2004. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid = S0102- 01882004000100003 # tx15. Acesso em: 17/09/2011

GASPARI, É. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002; p. 357-362.

MARTINS, E. R. Memória Experiência Vivida: a domesticação do tempo na História. Antíteses, v. 1, n. 1, jan./jun. de 2008, p. 17-30 Disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/ind. php/antiteses, acesso em 20/05/2009.

MARTINS, E. R.O caráter relacional do conhecimento Histórico. In COSTA, C. B. da (Org.). Um passeio com Clio. Revista do Programa de Pós Graduação da Universidade de Brasília, 2002 pp. 11-25.

POUND, E. ABC de literatura. São Paulo: Cultrix, 1970.

RÜSEN, J. Didática da História: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa. Ponta Grossa, PR. v. 1, n. 2, p. 07–16, jul./dez. 2006.

RÜSEN, J. História Viva. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.

RÜSEN, J. Razão Histórica. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

VEYNE, P. Como se escreve a História. Brasília: Editora da UnB, 1982.

WEBER, M. Metodologia das Ciências Sociais. v.1, São Paulo: Editora da Unicamp, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n1p101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br