A história dos cristãos-novos no Brasil colonial: escrita e representações nos livros didáticos nos últimos vinte anos

Helena Ragusa

Resumo


Neste trabalho, propõe-se realizar uma reflexão das representações encontradas em alguns livros didáticos do ensino fundamental e médio no que se refere ao estudo do período colonial, em especial, os cristãos-novos entendendo-os como sujeitos históricos atuantes na formação da sociedade brasileira. O objetivo é refletir sobre a escrita que vem sendo produzida em torno desses personagens nos últimos 20 anos, de forma a observar as diferenças e semelhanças entre as obras escolhidas, e em que medida esses saberes estão dialogando com a nossa historiografia. Os cristãos-novos, que em tais livros são apresentados de forma não problematizada, simplista e naturalizada, foram responsáveis não só por grande parte do desenvolvimento econômico ocorrido logo nos primeiros anos, como também pelas heranças deixadas na sociedade e que até hoje se fazem presentes. 


Palavras-chave


História e Ensino; Livros Didáticos; Escrita; Representações

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, K. O livro didático e a popularização do saber histórico. In MARCOS, A. da S. (Org.). Repensando a história. Rio de Janeiro: Marco Zero/ ANPUH, 1986.

ABUD, K Conhecimento histórico e ensino de história: a produção do conhecimento histórico escolar. In: SCHMIDT, M. A.; CAINELLI, M. R. (Org.). Perspectiva do ensino de história III. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1999.

ABUD, K A História nossa de cada dia: saber escolar e saber acadêmico na sala de aula. In: Monteiro, Ana Maria e outros (Org.). Ensino de História. Sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

ALMEIDA, J. P. de. A difusão do conhecimento científico sobre meio ambiente nos livros didáticos de História. História & Ensino. Londrina, Ed. UEL, Revista do Laboratório de Ensino de História 2005, p. 75-94.

BELLOTTI, K. K.. Identidade, alteridade e religião na historiografia colonial. In: Artigo. Revista de História e Estudos Culturais. Campinas: UNICAMP, 2005.

BITTENCOURT, C. Identidade nacional e ensino de História do Brasil. In KARNAL, L. História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003, p. 185-2005.

BUENO, J. B. G. Tecendo reflexões sobre imagens pictóricas (do final do século XIX e início do século XX) utilizadas nos livros didáticos no Brasil. IV Anais do Seminário Perspectivas de Ensino de História, Ouro Preto, 2001.

CARVALHO, F. M. Raízes judaicas no Brasil: o arquivo secreto da inquisição. São Paulo: Nova Arcádia,1992.

CARVALHO, F. M. C. de. O Brasil nas profecias de um judeu sebastianista: os “Aforismos” de Manuel Bocarro Francês/ Jacob Rosales. In Keila Grinberg. (org.). Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria M. Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.

COELHO, B. A. Cristãos-novos, judeus portugueses e o pensamento moderno. In NOVAES, A. (Org.). A descoberta do homem e do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

DEL PRIORE, M.; VENÂNCIO, R. P. O livro de Ouro da História do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

FANAIA, J. E. A. de. História, Saber Acadêmico e Saber Escolar: Um Diálogo Possível? Coletâneas do nosso tempo. Rondonópolis – MT, v. VII, n. 8, p.13-22, 2008.

FONSECA, T. N. de L. e. História & ensino de História. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FONSECA, S. G. Caminhos da história ensinada. São Paulo: Papirus, 1993.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989.

HERMANN, J. As metamorfoses da espera: messianismo judaico, cristãosnovos e sebastianismo no Brasil colonial. In GRINBERG, K. Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade. Keila Grinberg (Org.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 87-111.

MIGUEL, L. F. Retrato de uma ausência: a mídia nos relatos da história política do Brasil. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, n.39, p.190-199. 2000.

NOVINSKY, A. Cristãos-novos na Bahia: a inquisição. São Paulo: Perspectiva, 1992.

NOVINSKY, A. Ser marrano em Minas Colonial. Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH/ Humanitas Publicações, v. 21, n . 40, p. 161-176. 2001.

OLIVEIRA, I. B. A zona do indeterminado: pensando autor, autoria, produção e consumo de livros didáticos. In OLIVEIRA, M. M. D. de; STAMATTO, M. I. S. (Org.). O livro didático de história: políticas educacionais, pesquisas e ensino. Natal: EDUFRN, 2007, v. 1, p. 67-73.

PERNIDJI, J. E. A saga dos cristãos-novos. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

SALVADOR, J. G. Os cristãos-novos. Povoamento e conquista do solo brasileiro (1530-1680). São Paulo, Pioneira, 1976.

SALVADOR, J. G. Os cristãos-novos e o comércio no Atlântico Meridional: com enfoque nas capitais do Sul, 1530-1680. São Paulo, Pioneira, 1978

SILVA, J. G. da F. e. Modos de pensar, maneiras de viver: cristãos-novos em Pernambuco no século XVI. Dissertação de mestrado em História da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2007.

VAINFAS, R.; ASSIS, A. A. F. A esnoga da Bahia: cristãos-novos e criptojudaísmo no Brasil quinhentista. In GRINBERG, K. (Org.). Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 43–63.

VAINFAS R; HERMANN, J. Judeus e conversos na Ibéria no século XV: sefardismo, heresia, messianismo. In GRINBERG, K. Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade. (Org.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 15 – 41.

VALADARES, P. A presença oculta: genealogia, identidade e cultura cristã- nova brasileira nos séculos XIX e XX. Fortaleza: Fundação Ana Lima, 2007.

WOLFF, E.; WOLLF, F. Os judeus no Brasil imperial. Uma pesquisa nos documentos e no noticiário carioca da época. São Paulo, Centro de Estudos Judaicos, 1975.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n1p77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br