Os sentidos no ensino de história

Aline Machado Krause, Gabriel Vinicius Vieira

Resumo


Este artigo consiste na exposição da aplicação prática da proposta de trabalhar temas históricos na sala de aula utilizando os sentidos como técnica principal para evocação da curiosidade e do conhecimento, mas sem reduzir essa mesma curiosidade e esse mesmo conhecimento apenas aos sentidos. Tendo como influências teóricas os pensamentos sobre escolas de Illich, sobre oficinas de Corrêa, sobre micro-história de Ginzburg e sobre história cultural de Peter Burke, temos como objetivo uma aula em que os alunos participem não só através das perguntas do professor, mas também do próprio desenvolvimento dos temas, e que materializa o conhecimento sobre sociedades antigas, da vida de pessoas que morreram há milênios, lembrando da importância destes temas para a nossa sociedade e da importância tanto da vida individual e social como das estruturas políticas, econômicas, culturais e sociais. Assim, pretendemos uma aula divertida, interessante, engraçada, mas sem esquecer-se da história e sem subestimar o conhecimento das crianças.


Palavras-chave


Sentidos; Ensino de História; Interação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M.; MATTOS, H. Em torno das “Diretrizes Curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana”: uma conversa com historiadores. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 21, n. 41, 2008, p. 5-20.

BARTHON, K. Qual a utilidade da história para crianças? Contributos do ensino de história para a cidadania. In BARCA, I. (Org.). Para uma educação histórica de qualidade. Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica.Universidade do Minho, 2004. p. 11-22.

BURKE, Peter. O que é História Cultural?. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

CAINELLI, M. Educação histórica: perspectivas de aprendizagem da história no ensino fundamental. Educar. Curitiba, Especial, 2006, p. 57-72.

CORRÊA, G. C. Oficina: novos territórios em educação. In LUENGO, J. M. (Org.) Pedagogia Libertária: Experiências Hoje. São Paulo: Editora Imaginário, 2000.

ELIADE, Mi. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ESPADA LIMA, H. A Micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

ILLICH, I. Sociedade sem escolas. Petrópolis: Editora Vozes, 1973.

KI-ZERBO, J. (org.). História Geral da África. Brasília: UNESCO, Secad/MEC, UFSCar, 2010.

KORNIS, M. A. História e Cinema: um debate metodológico. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p. 237-250.

PEREIRA, J. S. Reconhecendo ou construindo uma polaridade étnicoidentitária? Desafios do ensino de história no imediato contexto pós-Lei nº 10.639. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 21, n. 41, 2008, p. 21-43.

PERRY, Marvin. Civilização Ocidental: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SCHMIDT, M. A.; CAINELLI, M. Ensinar história. São Paulo: Scipione, 2004.

SLENES, R. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações da família escrava, Brasil, Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n2p383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br