Empatia histórica em sala de aula: relato e análise de uma prática complementar de se ensinar/aprender a história

Breno Gontijo Andrade, Gilmar Rodrigues Junior, Alexis Nascimento Araújo, Júnia Sales Pereira

Resumo


Esse artigo é o fruto de observações feitas nas aulas de História ministradas aos alunos do 8º e 9º ano no Centro Pedagógico – Escola de Educação Básica e Profissional da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, e em outras escolas de Belo Horizonte, entre os anos de 2008 e 2009. A nossa proposta inicial era motivar os alunos em classe de maneira que eles sentissem maior interesse pela História, utilizando de estratégias didáticas diferentes daquelas comuns às aulas de História. A estratégia adotada foi o uso da Empatia Histórica, isto é, o exercício de colocar-se no lugar do outro vivente em um tempo diferente do seu. O artigo explicita como essa estratégia foi utilizada e como os alunos responderam a ela.

Palavras-chave


Ensino de História; Empatia Histórica; Relato de Prática Pedagógica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da Prática Escolar. Campinas: Papirus, 1995.

BARBOSA, A.; GONÇALVES, C.; MACHADO, E.; OLIVEIRA, E. O trabalho infantil no século XIX: uma visão de alunos. In: MELO, M. C.; LOPES, J. M. (Org.). Narrativas Históricas e Ficcionais: recepção e produção para professores e alunos. Minho: Universidade do Minho, 2004.

BITTENCOURT, C. M. F. Ensino de História: fundamentos e métodos.. São Paulo: Cortez, 2005.

BLOCH, M. Apologia da história, ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CHARLOT, B. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões da para educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FERREIRA, A. ; DINIS, C. ; LEITE, Eduarda. A vida quotidiana em Roma na Época Imperial: narrativa de alunos. In: MELO, M. C. ; LOPES, J. M. (Org.). Narrativas Históricas e Ficcionais: recepção e produção para professores e alunos. Minho: Universidade do Minho, 2004.

KARNAL, L. (Org.). História na Sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003.

LAVILLE, C. A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 19, n. 38, 1999.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: Ed.Unicamp, 2003. LEE, P. J.; ASHBY R. Empathy, Perspective Taking, and Rational Understanding. In: DAVIS, O. L.; YAGER, Elizabeth A.; FOSTER, S. J. Historical empathy and perspective taking in the social studies. Lanham, MD: Rowman and Littlefield, 2001.

MELO, M. C. ; PEIXOTO, R. A Troca de Correspondências: a imaginação e as fontes históricas. Narrativas Históricas e Ficcionais: recepção e produção para professores e alunos. Minho: Universidade do Minho, 2004.

MELO, M. C. Eu sou escritor de H(h)istória(s)! – as competências de leitura e escritura e a aprendizagem de H(h)istória. In: Como pôr os alunos a tra balhar? experiências formativas na aula de português. Lisboa: Lisboa Ed., 2003.

ROSANVALLON, P. Por uma história conceitual do político. Universidade Estadual Paulista, 1996.

WINEBURG, S. S. The Cognitive Representation of Historical Texts. In: LEINHARDT, G.; BECK, I. L.; STAINTON, C. Teaching and Learning in History. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1994.

YILMAZ, K. Historical Empathy and Its Implications for Classroom Practices in Schools. The History Teacher, v. 40, n. 3, p. 10, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n2p257

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br