As crônicas coloniais no ensino de história da América

Susane Rodrigues de Oliveira

Resumo


Este artigo discute os limites e possibilidades no uso das crônicas coloniais como materiais didáticos para o ensino de história da América na educação básica. Trata-se especialmente de crônicas em língua espanhola, escritas nos séculos XVI e XVII, sobre a natureza, os povos indígenas e o processo de conquista e colonização européia da América. Com o objetivo de contribuir na educação escolar para a cidadania crítica, as orientações pedagógicas traçadas neste artigo se baseiam no estudo das representações sociais, das condições de produção dos discursos e nas propostas dos PCNs para o trabalho com eixos temáticos e documentos históricos em sala de aula.

 


Palavras-chave


Representações; Crônicas; Indígenas; Materiais didáticos

Texto completo:

PDF

Referências


CALVINO, I. O Cavaleiro inexistente. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.

CARDOSO, O. Para uma definição de Didática da História. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 55, p. 153-170, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. 10.ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

CHARTIER, A-M. L. L´expertise enseignante entre savoirs practiques et saviors théoriques. Recherche et Formation. Les savoirs de la pratique: um enjeu por la recherche et la formation. INRP, n. 27, p. 67-82, 1998.

CHARTIER, R. Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 157-168, jul./dez. 2000.

CHARTIER, R. Sucesso, fracasso e ambivalência da inovação pedagógica: o caso do ensino de leitura. Conferência proferida no Centro de Educação – UFPE, 2002.

CHARTIER, R. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2002. CORDEIRO, J. Didática. São Paulo: contexto, 2007.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os estabelecidos e os outsides. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

GARCIA, C. M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

GINZBURG, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras: 2007.

MAROY, C. O modelo do prático reflexivo diante da enquete na Bélgica. In TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

MERLEAU-PONTY, M. Palestras. Lisboa: Edições Setenta, 2003.

NÓVOA, A. Os professores e o 'novo' espaço público da educação. In TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.) O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

PERRENOUD, P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. 12.ed. Porto: Afrontamentos, 2001.

SERRES, M. Atlas. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

SERRES, M. Luzes: cinco entrevistas com Bruno Latour. São Paulo: UNIMARCO, 1999.

SERRES, M. Ramos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

ZAMBONI, E. Encontros nacionais de Pesquisadores de História: Perspectivas. In ARIAS NETO, J. M. (Org). Dez anos de pesquisas em ensino de História. Londrina: AtritoArt, 2005.

ZEICHNER, K. A formação reflexiva de professores: idéias e práticas. Lisboa: EDUCA, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n2p235

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br