Diálogos com o cavaleiro inexistente: o ensino de história enquanto campo de pesquisa

André Victor Cavalcanti Seal da Cunha

Resumo


Neste artigo realizo reflexões acerca da especificidade do ensino de História enquanto campo de pesquisa. Considero que pelo “entre” lugares que ocupa a condição sine qua non de qualquer investigação no campo do ensino de História é necessariamente um intenso diálogo com a História e com a Educação. Contudo, as áreas de vinculações e referências para o ensino de História não se encerram aqui.  Também as Ciências Sociais, a Filosofia, a Psicologia Cognitiva, a Geografia, a Lingüística, a Literatura, a Comunicação, as Artes, dentre outras, fornecem chaves de leitura aos fenômenos que pesquisamos. É, portanto, a miscelânea, a mestiçagem que permite o estabelecimento de pontes, o aflorar da criatividade, as potencialidade de inteligibilidade, compreensão, emancipação. Ao observar os trabalhos do campo, percebe-se que há um fio condutor, uma perspectiva integradora, uma unidade na diversidade, se entendermos a Didática da História como uma disciplina que investiga os processos circulação e ensino-aprendizagem da História no mundo da cultura, envolvendo os mais diferentes níveis e modalidades da educação, incluindo se o ensino superior e os espaços não escolares. Vemos assim que o campo do ensino de História no Brasil dá mostras de que há uma didática da história com o entrelaçamento de diferentes matrizes teóricas. Penso, portanto, que a vinculação da didática da História é com o campo do ensino de História, o que permite articulação nas análises tanto com a teoria da história quanto com a psicologia cognitiva ou a didática geral.


Palavras-chave


Ensino de História; Didática da História; Epistemologia do Ensino de História

Texto completo:

PDF

Referências


CALVINO, I. O Cavaleiro inexistente. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.

CARDOSO, O. Para uma definição de Didática da História. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 55, p. 153-170, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. 10.ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

CHARTIER, A-M. L. L´expertise enseignante entre savoirs practiques et saviors théoriques. Recherche et Formation. Les savoirs de la pratique: um enjeu por la recherche et la formation. INRP, n. 27, p. 67-82, 1998.

CHARTIER, R. Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 157-168, jul./dez. 2000.

CHARTIER, R.Sucesso, fracasso e ambivalência da inovação pedagógica: o caso do ensino de leitura. Conferência proferida no Centro de Educação – UFPE, 2002.

CHARTIER, R.À beira da falésia: a história entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2002. CORDEIRO, J. Didática. São Paulo: contexto, 2007.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os estabelecidos e os outsides. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

GARCIA, C. M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

GINZBURG, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras: 2007.

MAROY, C. O modelo do prático reflexivo diante da enquete na Bélgica. In: TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

MERLEAU-PONTY, M. Palestras. Lisboa: Edições Setenta, 2003.

NÓVOA, A. Os professores e o 'novo' espaço público da educação. In: TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.) O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

PERRENOUD, P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. 12.ed. Porto: Afrontamentos, 2001.

SERRES, M. Atlas. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

SERRES, M. Luzes: cinco entrevistas com Bruno Latour. São Paulo: UNIMARCO, 1999.

SERRES, M. Ramos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

ZAMBONI, E. Encontros nacionais de Pesquisadores de História: Perspectivas. In: ARIAS NETO, J. M. (Org). Dez anos de pesquisas em ensino de História. Londrina: AtritoArt, 2005.

ZEICHNER, K. A formação reflexiva de professores: idéias e práticas. Lisboa: EDUCA, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n2p219

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br