COMUNIDADES CAMPONESAS NO NORDESTE PARAENSE: O CASO DE SÃO JUDAS E CRAVO

Rafael Benevides de Sousa, Cátia Oliveira Macedo

Resumo


As comunidades rurais dos municípios de Bujaru e Concórdia do Pará emergem vinculadas às atividades ligadas aos rios e aos igarapés que margeiam a Zona Guajarina, (nordeste paraense) ainda no século XVIII. Deriva daí as relações sociais com base no trabalho familiar que originaram as comunidades camponesas de São Judas e da Vila do Cravo, objeto de estudo deste artigo. Neste trabalho discutiremos a formação territorial destas comunidades, buscando compreender os elementos que propiciaram a territorialização camponesa e a construção desses territórios. Através do trabalho de campo realizado nestas comunidades pudemos adentrar no universo desses camponeses, e a partir dele traçar considerações preliminares acerca do campesinato amazônico e em particular acerca da territorialidade e do território em construção nestas comunidades.


Palavras-chave


Campesinato; Comunidade; Territorialidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2011v20n2p115

Direitos autorais 2012 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com