Os fundos de vale sob a ótica do estatuto da cidade:constatações prementes e o resgate possível

Ronaldo Ferreira dos Reis, Peter Zeilhofer

Resumo


Este artigo traz para a análise, sob a luz da Lei n.º 10.257 (mais conhecida como Estatuto da Cidade), uma forma específica de tratamento urbanístico de elevada qualidade ambiental, a preservação dos fundos de vale, e questiona o porquê de ele não ser implantado como norma simples nos municípios, diante das urgências que obras emergenciais mitigadoras não têm conseguido recuperar. Destaca a experiência positiva do Município de Londrina, cujo Código de Obras, de 1951, possibilitou a preservação de fundos de vale, formando as atuais áreas livres que compõem a sua paisagem urbana.


Palavras-chave


Fundos de vale, Meio ambiente, Urbanismo, Estatuto da Cidade, Plano Diretor Participativo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2005v14n2p157

Direitos autorais 2010 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com