Eficiência na remoção de coliformesna estação de tratamento de esgoto de Ilhéus (Bahia)

Isabela Barreto de Mendonça Fontes, Quintino Reis de Araújo

Resumo


Os esgotos apresentam em sua composição, além da grande quantidade de matéria orgânica, microrganismos patogênicos e substâncias químicas tóxicas, que quando não tratados adequadamente na Estação de Tratamento de Esgoto - ETE lançarão no corpo receptor poluentes prejudiciais à saúde e ao meio ambiente. Este estudo foi desenvolvido na ETE de Ilhéus, Bahia, e teve como objetivo analisar a eficiência da ETE, quanto aos níveis de coliformes. Foram avaliados coliformes totais e coliformes fecais – Escherichia coli. Com base nas análises realizadas, foi possível constatar que apesar de a ETE ter alcançado o índice de eficiência na remoção de coliformes, ela ainda lança no seu corpo receptor (estuário do rio Cachoeira) um alto percentual desses elementos, em índices não permitidos conforme Resoluções 20/86 e 274/2000 do CONAMA.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2008v17n1p125

Direitos autorais 2010 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com