Topofobia e Topofilia em O Quinze: uma análise ecocrítica da obra de Rachel de Queiroz

Elisângela Campos Damasceno Sarmento, Geraldo Jorge Barbosa de Moura

Resumo


Em 1930, a escritora Rachel de Queiroz publica a obra O Quinze que se enquadra na prosa regionalista da segunda fase do Modernismo brasileiro, pondo em evidência o sertão cearense. Nesse contexto, esta pesquisa tem como objetivo investigar, sob o método da Análise do Discurso de Linha Francesa e da perspectiva Ecocrítica - que estuda as imbricações entre a Literatura e a Ecologia -, as relações homem-ambiente e as representações do sertanejo e do sertão que a autora delineia, dialogando, também, com o sentimento humano que é despertado na interlocução com o lugar, com o ambiente e com o território, tendo em vista os conceitos de topofobia – aversão ao ambiente físico - e topofilia – familiaridade ou apego, propostos, em 1980, pelo geógrafo chinês Yi-Fu Tuan. Sendo assim, os discursos presentes na narrativa demonstram a predominância do sentimento de horror à caatinga (topofobia), em virtude dos problemas decorrentes da seca, embora ocorra uma alteração da paisagem em meio às primeiras chuvas, modificando, também, a relação do homem com o ambiente, tornando-a mais amena e, portanto, topofílica. Desse modo, a Ecocrítica constitui-se como um campo interdisciplinar e transdisciplinar, representando, assim, uma robusta ferramenta à compreensão das relações homem-ambiente.

Palavras-chave


Geografia Humanista; Literatura; Ecologia Humana.

Texto completo:

PDF

Referências


BÍBLIA SAGRADA. Tradução da CNBB, 2008.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. São Paulo: Ediouro, 2009.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2013.

FREUD, Sigmund. O Inconsciente. In: FREUD, Sigmund. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1915a. p. 183 233.

FREUD, Sigmund. Os instintos e suas vicissitudes. In: FREUD, Sigmund. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1915b. p. 129 162.

FREUD, Sigmund. Moisés e o monoteísmo. Rio de Janeiro: Imago,1939.

GADELHA, Georgina da Silva; LIMA, Zilda Maria Menezes. Cortejo de miséria: seca, assistência e mortalidade infantil... Revista História e Cultura, Franca, v. 6, n. 2, p.101-118, 2017.

GARRARD, Greg. Ecocrítica. Brasília: Universidade de Brasília: 2006.

GROSFOGUEL, Ramón. La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso. Tabula Rasa, Bogotá, n. 8, p. 243-282, 2008.

LOBATO, Andrea Teresa Martins; PEREIRA, Eduardo Oliveira. A seca e a narrativa do trágico em O Quinze de Rachel de Queiroz. Revista Garrafa 24, Rio de Janeiro, v. 9, n. 27, p. 1-17, 2011.

MAGALHÃES, Josa. Previsões folclóricas das secas e dos invernos no Nordeste brasileiro. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1963.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

OLIVEIRA, Maria Vanilda Moraes. Prevendo o tempo em Tanquinho, Bahia. Sitientibus, Feira de Santana, v. 6, número especial, p. 1-15, 2006.

ORLANDI, Eni Pulccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes/UNICAMP, 2012.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2006.

QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

REIS, Carlos. O Conhecimento da Literatura. Introdução aos Estudos Literários. Coimbra: Livraria Almedina, 2001.

RIBEIRO, Marina Ferreira da Rosa. Uma reflexão conceitual entre identificação projetiva e enactment. O analista implicado. Revista Cadernos de psicanálise. Rio de Janeiro, v. 38, n, 35, p. 1-18, 2016.

SALES, Aklla Guimarães; OLIVEIRA, Raul Miguel Freitas de. Proteção internacional aos refugiados ambientais. Revista de Direitos Humanos em Perspectiva, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 18-34, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, v. 78, p. 3-46, 2007.

SCOVILLE, André Luiz Martins Lopez de. Literatura das Secas: Ficção e História. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

SILVA, Roberto Marinho Alves da. Entre dois paradigmas: combate à seca e convivência com o semiárido. Revista Sociedade e Estado. Brasília, v. 18, n. 1/2, p. 361-385, 2003.

SILVA, Edilane Ferreira da; COSTA, Érika Maria Asevedo;.MOURA, Geraldo Jorge Barbosa de. Topofobia e topofilia em “A Terra”, de “Os Sertões”: uma análise ecocrítica do espaço Sertanejo Euclidiano. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 26, p. 253-260, 2014.

SILVA, José Maria Cardoso da; TABARELLI, Marcelo; FONSECA, Mônica Tavares da. Áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade na caatinga. In: SILVA, José Maria Cardoso da; TABARELLI, Marcelo; FONSECA, Mônica Tavares da (org.). Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília (DF): MMA/UFPE/Conservation International – Biodiversitas – Embrapa Semiárido, 2004. p. 349-374.

SILVA JUNIOR, Agenor Soares. Homo Religiosus na formação do semiárido cearense. Revista Homem, Espaço e Tempo, v. 6, n. 11, p. 125-143, 2009.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1980.

TUAN, Yi-Fu. Geografia Humanista. In: CRISTOFOLETI, Antonio (org.) Perspectivas da Geografia. São Paulo: DIFEL 1982. p. 165-193.

WOHLLEBEN, Peter. A vida secreta dos animais. Rio de Janeiro: Sextante, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2022v31n1p75

Direitos autorais 2021 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com