Uso da Linguagem Imagética: potencializando a (re)leitura do lugar

Vitor Marques Almeida, Aline Santos Ferreira, Solange Lucas Ribeiro

Resumo


Este artigo tem a intencionalidade de compreender como o uso de imagens do lugar (Bairro Gabriela) pode potencializar a construção do conhecimento geográfico no processo de interpretação da realidade socioespacial, com enfoque no conceito de lugar e o estudo sobre os espaços de vivência dos alunos no ensino de Geografia na escola básica. Para isso, delineamos os seguintes objetivos específicos: identificar as relações que os alunos têm com o lugar em que vivem; elaborar mapas mentais e fotografias; e entender como o uso de imagens contribui para o conhecimento e a afetividade em relação ao lugar. O referencial teórico foi baseado em autores como: Dubois (2001), Yi-Fu Tuan (1983), Libâneo (2001), Santos (2005), Sontag (2004) e outros que discutem a temática. A pesquisa se caracterizou como uma pesquisa-ação com caráter aberto e flexível pelas possiblidades de mudança na escola. Os resultados indicaram que os alunos se sentiram mais instigados a conhecer o bairro, demonstraram consistência quanto ao conceito de lugar, afetividade e criticidade, identificando problemas e apresentando atitudes propositivas, voltadas às intervenções que pudessem requalificar o lugar.

Palavras-chave


Afetividade; Mapas mentais; Ensino de geografia.

Texto completo:

PDF

Referências


BESSE, Jean-Marc. Entre a geografia e a ética: a paisagem e a questão do bem-estar. GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 241-252, 2014.

BUORO, Anamélia Bueno. Olhos que pintam. São Paulo: Cortez, 2003.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo: Hucitec, 1996.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 2001.

GHEDIN, Evandro. A pesquisa como eixo interdisciplinar e a formação do professor pesquisador-reflexivo. Revista Olhar de Professor, Ponta Grossa, PR, ano 7, n. 2, p. 57-76. 2004.

HARZINSKI, Kris. From here to there. A curious collection from the Hand Drawn Map Association. New York: Princeton Architectural Press, 2010.

KASHIWAGI, Helena Midori; MICRUTE, Regina Lucia Rocha. O uso dos mapas mentais na construção da percepção espacial. Cadernos PDE, Curitiba, PR, v.1, p. 2-17, 2014. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_ufpr_geo_artigo_regina_lucia_rocha_micrute.pdf. Acesso em: 28 nov. 2019.

KOSSOY, Boris. Fotografia & história/boris kossoy. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 1999.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2001.

OLIVEIRA. Nilza Aparecida da Silva. A educação ambiental e a percepção fenomenológica, através de mapas mentais. REMEA: Revista eletrônica Mestrado Educação Ambiental, Rio Grande, RS, v. 16, p. 32-46, jan./ jun. 2006. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/2779/1568. Acesso em: 28 maio 2018.

RELPH, Edward. Place and placelessness. London: Pion, 1976.

RIBEIRO, Solange Lucas. Leituras imagéticas no ensino de Geografia: potencializando o fazer docente e o saber discente. In: PORTUGAL, Jussara Fraga (Org.). Educação Geográfica: diversas linguagens. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 49-61.

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SASAKI, Karen. A contribuição da geografia humanística para a compreensão do conceito de Identidade de Lugar. Revista de Desenvolvimento Econômico - RDE, Salvador, ano 13, n. 22, p.112-120, dez. 2010.

SCHWARZELMULLER. Helmut. A elaboração e o uso da imagem na construção do conhecimento em geografia. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2007.

SEEMANN, Jörn. Carto-crônicas: uma viagem pelo mundo da cartografia. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013.

SEEMANN, Jörn. Cartografia e cultura: abordagens para a geografia cultural. In: ROSENDAHL, Zeny; CORREA, Roberto Lobato (org.). Temas e caminhos da geografia cultural. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2010. v. 1, p. 115-156.

SEEMANN, Jörn. Subvertendo a cartografia escolar no Brasil. Geografares, Vitória, ES, n. 12, p. 138-174, jul. 2012.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SOUZA, Isabel Maria Amorim de; SOUZA, Luciana Virgília Amorim de. O uso da tecnologia como facilitadora da aprendizagem do aluno na escola. Itabaiana: GEPIADDE, Sergipe, PE, ano 4, v. 8, p. 128-142, jul./ dez. 2010.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Universidade de Murdoch. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set. / dez. 2005.

TUAN, Y-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

TUAN, Yi – Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

VIGOTSKY, Lev Semyonovich. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2021v30n1p539

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com