Feições Erosivas Lineares em Ambientes de Cuesta: estudo de caso no interior paulista

Melina de Melo Silva, Cenira Maria Lupinacci

Resumo


Com o aprimoramento da técnica, o ser humano passou cada vez mais a interferir e modificar o ambiente natural, em especial o relevo, que apresenta significativas mudanças. Nesse sentido, o presente trabalho tem por objetivo identificar a evolução das feições erosivas lineares e avaliar em que condições litológicas, de solos e de uso da terra ocorrem na Bacia do Rio Cabeça (SP). Dessa forma, tendo como fonte de dados mapeamentos de uso e ocupação da terra e das feições erosivas lineares em períodos distintos (1988 e 2010, com reambulação em campo em 2019), foram analisadas as dinâmicas de uso e ocupação, assim como as suas relações com a ocorrência das feições erosivas lineares. A análise comparativa dos mapeamentos permitiu constatar que os sulcos erosivos, ravinas e voçorocas ocorrem predominantemente em setores ocupados por pastagem, dispostos sobre litologias arenosas e solos derivados dessa litologia. Além disso, verificou-se que o uso e ocupação por crescentes atividades associadas à mineração e práticas agrícolas voltadas à monocultura de cana-de-açúcar também contribuem para a ocorrência dos processos erosivos e para a instalação dessas feições. Nesse sentido, é possível afirmar que o intenso uso da terra, somado às características lito-pedológicas do contato cuesta-depressão, podem dinamizar os processos erosivos lineares.

Palavras-chave


Antropogeomorfologia; Mapeamento geomorfológico; Uso e ocupação da terra.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. N. Regiões de Circundesnudação Pós-Cretácea no Planalto Brasileiro. São Paulo: Boletim Paulista de Geografia, 1949.

AGUIAR, D. A; SILVA, W. F; RUDORFF. B. F.T; SUGAWARA. L. M. Expansão da cana-de-açúcar no Estado de São Paulo: safras 2003/2004 a 2008/2009. In: XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 14. (SBSR), 2009, Natal-RN. Anais [...]. Natal. 2009. p. 25-30

AGRA FILHO. S.S. Conflitos ambientais e os instrumentos da política nacional de meio ambiente. eGesta, Santos, v. 4, n. 2, 2008.

ALMEIDA, F. F. M. Fundamentos geológicos do relevo paulista. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1974.

CAMARGO, M. Z. C. Análise Morfométrica da Bacia do Rio Cabeça (SP). São Paulo: Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo, Processo Nº: 2016/19564-0, 2017.

CERON, A. O.; DINIZ, J. A. F. O uso das fotografias aéreas na identificação das formas de utilização agrícola da terra. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, n. 2, p. 65-77, 1966.

HOBSBAWM, E. J. A Era das Revoluções: Europa 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

INTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico de Uso da Terra. Rio de Janeiro, 2013.

INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS. Solos do Estado de São Paulo. 2014.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO; DIVISÃO DE MINAS E GEOLOGIA APLICADA. Mapa geológico do estado de São Paulo. São Paulo: IPT, 1981.

KOFFLER, N.F. Solos da Bacia do Rio Corumbataí. Universidade Estadual Paulista – IGCE – Departamento de Cartografia e Análise da Informação Geográfica, campus Rio Claro, SP, escala 1:50.000, 1992.

LITHOLDO, K. R. Análise das alterações geomorfológicas derivadas do uso da terra na alta Bacia do Rio Passa Cinco (SP).São Paulo: Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo, Processo Nº: 2017/22257-4, 2017.

MONTEIRO, C. A. F. A dinâmica climática e as chuvas no estado de São Paulo. São Paulo: Instituto de Geografia da Universidade de Universidade de São Paulo, 1973.

PASCHOAL, L. G.; CONCEIÇÃO, F. T.; CUNHA, C. M. L. Utilização do ArcGis 9.3 na elaboração de simbologias para mapeamentos geomorfológicos: Uma aplicação na área do Complexo Argileiro de Santa Gertrudes/SP. Simpósio Nacional de Geomorfologia. 8, 2010, Recife. Anais [...].Recife. 2010. p. 1-13

PENTEADO, M. M. Implicações tectônicas na gênese das cuestas da bacia de Rio Claro. Notícia Geomorfológica, Campinas, 1968.

PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974.

ROSS, J. L.S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais antropizados. Revista Do Departamento De Geografia, São Paulo, v. 8, p. 63-74, 1994.

SOUZA, T. A. de.; OLIVEIRA, R. C. Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista GeoNorte. Manaus/AM, Edição Especial, v.2, n.4, p.1348-1355, 2012.

STEFANUTO, E.B; LUPINACCI, C.M. Avaliação das características ambientais de ocorrências das feições erosivas lineares nos limites Depressão-Cuesta Analândia (SP). Revista Caminhos de Geografia. Uberlândia, v.20, n.70, 2019.

TRICART, J. Príncipes et méthodes de la géomorphologie. Paris: Masson, 1965.

ZAINE, J.E. Geologia da Formação Rio Claro na Folha Rio Claro (SP). Tese (Mestrado em Geociências)- Universidade Estadual Paulista. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro, 1994




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2021v30n1p421

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com