Avaliação do Potencial Fitorremediador da Macrófita Aquática Salvinia Auriculata na Absorção e Acúmulo de Zinco

Glauco Nonose Negrão, Nathan Ulian Souza, Mariane Butik

Resumo


A descarga de metais pesados por atividades antrópicas nos cursos hídricos é uma das mais comuns fontes de contaminantes tóxicos no ambiente, havendo a necessidade de desenvolvimento de técnicas capazes de biorremediar os poluentes com eficiência e sustentabilidade. O objetivo desta pesquisa é avaliar o potencial de bioacumulação de Zinco (Zn) da macrófita aquática Salvinia auriculata. Para a realização deste artigo, coletou-se amostras da macrófita aquática em um fragmento de floresta ombrófila mista, processadas no Laboratório de Hidrologia do Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) no Campus Cedeteg. Foram efetuados três experimentos com a solução de Sulfato de Zinco (ZnSO4) para simular a contaminação e identificar o potencial de absorção, sendo realizada a leitura utilizando a técnica AAS – Atomic Absorption Spectrometry no Laboratório de Análise de Traços e Instrumentação, vinculada ao Departamento de Química – UNICENTRO. Pela análise conjunta dos resultados obtidos nos três experimentos confirmou-se a potencialidade da Salvinia auriculata em bioacumular Zn, estimando o potencial de absorção de 3,5 mg/kg, atingindo índice máximo em aproximadamente 48 horas. Verificou-se que a Salvinia auriculata apresentou sensibilidade elevada, sendo uma macrófita que pode ser empregada na avaliação qualitativa e quantitativa da contaminação de ambientes aquáticos por metais pesados.

Palavras-chave


Biogeografia aplicada; Ecologia de ecossistemas aquáticos; Química analítica.

Texto completo:

PDF

Referências


AHMAD, K.; AZIZULLAH, A.; SHAMA, S.; KHATTAK, M. N. K. Determination of heavy metal contents in water, sediments, and fish tissues of Shizothorax plagiostomus in river Panjkora at Lower Dir, Khyber Pakhtunkhwa, Pakistan. Environmental Monitoring and Assessment, v. 186, p. 7357-7366, 2014.

Allan JD. Stream Ecology: Structure and Function of Running Waters. Dordrecht, Neth.: Kluwer. 388 pp. 1995.

AMORIM, Fábio Alan Carqueija, et al. Espectrometria de absorção atômica: o caminho para determinações multi-elementares. Quím. Nova vol.31 no.7 São Paulo 2008.

ANTUNES, S. C. et al. Contribution for tier 1 of the ecological risk assessment of Cunha Baixa uranium mine (Central Portugal): II. Soil ecotoxicological screening. Science of the Total Environment, v. 390, p. 387–395, 2008.

ARAI, T.; OHJI, M.; HIRATA, T. Trace metal deposition in teleost fish otolith as an environmental indicator. Water, Air and Soil Pollution, v. 179, p. 255-263, 2007.

BAKER, A. J. M. et al. Metal hyperaccumulator plants: areview of the ecology and physiology of a biological resource for phytoremediation of metal-polluted soils. In: TERRY, N.; BANUELOS, G. (Ed.). Phytoremediation of contaminatedsoil and water. Boca Raton: Lewis Publishers, 2000. p. 85-107.

BERTHOLF, R.L. Zinc. In: Handbook on Toxicity of Inorganics Compounds, ed. Seller, H.G. & Sigel, H., Marcel Dekker, cap. 71, p. 788- 796, 1988.

BINI, L.M. et al. Species richness and beta-diversity of aquatic macrophytes in the upper Paraná River floodplain. Archiv Fur Hydrobiologie, v. 151, n. 3, p. 511- 525, 2001.

BRASIL. CONAMA. RESOLUÇÃO No 430, DE 13 DE MAIO DE 2011, Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes. DF: Brasília, 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n.36 de 19 de janeiro de 1

CETESB. Decreto 54.487, de 26/06/09, que dispõe de sobre a prevenção e o controle da poluição do meio ambiente. Estado de São Paulo, 2009.

CORRÊA, M.R., VELINI, E.D.; ARRUDA, D.P. Teores de metais na biomassa de Egeria densa, Egeria najas e Ceratophyllum demersum. Planta Daninha, Viçosa-MG, v.20, p.45-49, 2002.

CORRÊA, Tatiana Lopez. Bioacumulação de metais pesados em plantas nativas a partir de suas disponibilidades em rochas e sedimentos: o efeito na cadeia trófica. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Ouro Preto, 2006.

CLARISSE, M.D.; AMORIM, M.C.V.; LUCAS, E. F. Despoluição ambiental: uso de polímeros na remoção de metais pesados. Revista de Química Industrial, v. 67, n. 715, p.330-337, 2009.

CRUZ, C. C. V., COSTA, A. C. A., HENRIQUES, C. A.,Luna, A. S., 2004. Kinetic modeling and equilibrium studies during cadmium biosorption by dead Sargassum sp. Biomass. Bioresource Technology, v. 91, p. 249-257.

COUTINHO, H.D; BARBOSA, A.R. Fitorremediação: considerações gerais e características de utilização. Silva Lusitana, v.15, n.1: 2007.

DOUAY,F. etal. Assessment of potential health risk for inhabitants living near a former lead smelter. Part 1: metal concentrations in soils, agricultural crops, and homegrown vegetables. Environmental Monitoring Assessment, online first, 2012.

ERNEST, W.H.O. Bioavailability of heavy metals and descontamination of soils by plants. Applied Geochemistry, v.11, p. 163-167. 1996.

GREENBERG, A.E; CLESCERI, L.S.; EATON, A.D. Standard methods for the examinationof water and wastewater. 18 ed. Washington: American Public Health Association, 1992.

HASAN, S. H.; TALAT, M.; RAI, S. Sorption of cadmium and zinc from aqueous solutions by water hyacinth (Eichhornia crassipes). Bioresource Technology, v. 98, p. 918-928, 2007.

HENRY-SILVA, G. G.; CAMARGO, A. F. M. Composição química de macrófitas aquáticas flutuantes utilizadas no tratamento de efluentes de aqüicultura. Planta Daninha, v. 24, n. 1, p. 21-28, 2006.

IAP. Portaria IAP Nº 256 DE 16/09/2013, Aprova e estabelece os critérios e exigências para a apresentação da DECLARAÇÃO DE CARGA POLUIDORA. PR: Curitiba, 2013..

KABATA-PENDIAS, A., & PENDIAS, H. Trace Elements in Soils and Plants. 3rd Edition, CRC Press, New York. 2001.

KAVAMURA, V. N.; ESPOSITO, E. Biotechnological strategies applied to the decontamination of soils polluted with heavy metals. Biotechnology Advances, v. 28, n. 1, p. 61-69, 2010.

KHAN, A. G.; KUEK, C.; CHAUDHRY, T. M.; KHOO, C. S.; HAYES, N. J. Role of plants, mycorrhizae and phytochelators in heavy metal contaminated land remediation. Chemosphere, v. 41, p. 197-207, 2000.

KLUMPP, A.; BAUER, K.; FRANZ-GERSTEIN, C.; MENEZES, M. Variation of nutrient and metal concentrations in aquatic macrophytes along the Rio Cachoeira in Bahia (Brazil). Environment International, v. 28, p. 165-171, 2002.

LASAT, M.M. Phytoextraction of Toxic Metals: A Review of Biological Mechanisms. Journal of Environmental Quality, 31, 109-120. 2002.

LAMEGO, F.P.; VIDAL, R. A. Fitorremediação: plantas como agentes de despoluição? Pesticidas: r. ecotoxicol. e meio ambiente, Curitiba, v. 17, p. 9-18, jan./dez. 2007.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. Rima Artes e Textos, São Carlos, 2000.

MARSCHNER, H. Mineral nutrition of higher plants. San Diego: Academic Press, 1995.

MARTINS, D. F. F. Estudo integrado do potencial fitorremediador da Eichhornia crassipes em ambientes naturais e sua utilização para obtenção de extratos proteicos. Doutorado em química na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 162 f. 2014.

MIL-HOMENS, M.: COSTA, A. M.; FONSECA, S.; TRANCOSO, M. A.; LOPES, C.; SERRANO, R.; SOUSA, R. Natural heavy metal and metalloid concentrations in sediments of the Minho River estuary (Portugal): baseline values for environmental studies. Environmental Monitoring and Assessment, v. 185, p. 5937-5950, 2013.

NASCIMENTO, C. W. A. do et al. Fitoextração de metais pesados em solos contaminados: avanços e perspectivas. Tópicos em Ciência do Solo, v. 6, p. 461-4495, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2021v30n1p367

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com