A Geodiversidade e a Arte Rupestre do Município de Milton Brandão, Nordeste do Estado do Piauí

Jefferson Paulo Ribeiro Soares, Claudia Valeria Lima, Francílio de Amorim dos Santos

Resumo


O presente artigo busca compreender a relação existente entre os elementos da geodiversidade e os principais sítios arqueológicos, especialmente de pinturas rupestres, localizados no município de Milton Brandão, no estado do Piauí. Para se alcançar tal objetivo, a caracterização dos elementos geológicos foi realizada com base nos dados do Serviço Geológico do Brasil e geomorfológicos e, além disso, foi analisada a configuração desses elementos no delineamento das formas evidenciadas na paisagem. Esta análise foi associada com as informações do cadastro nacional de sítios arqueológicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Assim, por meio da análise associativa dos dados, pode-se inferir que a geodiversidade influenciou as comunidades pré-coloniais na escolha das áreas para a inserção das pinturas rupestres, sobretudo em afloramentos rochosos que apresentassem concavidades capazes de serem utilizadas como abrigo e estivessem localizados próximos às fontes de recursos hídricos. Dessa forma, a paisagem desempenhava funções para os povos pré-coloniais que iam, de acordo com as evidências, para além de mero receptáculo da arte rupestre. Conclui-se assim que a expressão cultural do homem pré-colonial se realizou por meio de uma relação de mão dupla com os elementos da geodiversidade e de forma mais abrangente com a própria paisagem.

Palavras-chave


Paisagem; Geologia; Geomorfologia; Arqueologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BERQUE, Augustin. Les raison du paysage: de la Chine antique aux environnements de synthèse. Paris: Házan, 1995.

BRILHA, José B. R. Patrimônio geológico e geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Braga: Palimage, 2005.

CASQUEIRA, Rui de Góes; SANTOS, Shirleny Fontes. Pigmentos inorgânicos: propriedades, métodos de síntese e aplicações. Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2008.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea, estado do Piauí: diagnóstico do município de Milton Brandão. Fortaleza: CPRM, 2004.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM. Projeto mapa geológico do estado do Piauí. Teresina: Secretaria de Indústria Comércio, Ciência e Tecnologia: CPRM, 1995.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS – CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Mapas de Geodiversidade Estaduais. Mapa Geodiversidade do Estado do Piauí. Rio de Janeiro: CPRM. 2006. Documento cartográfico em arquivo vetorial. Disponível em: http://geosgb.cprm.gov.br/. Acesso em: 30 mar. 2014.

GRANDGIRARD, Vincent. Géomorphologie, protection de la nature et gestion du paysage. 1997. Thèse de doctorat, n. 1163. (PhD Thesis Géographie) – Institut de Géographie, Université de Fribourg, Fribourg, 1997.

GRAY, Murray. Geodiversity and geoconservation: what, why, and how? The George Wright Forum, Hancock, v. 22, n. 3, p. 4-12, 2005.

GRAY, Murray. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. 2. ed. Chichester: John Wiley & Sons, 2013.

GRAY, Murray. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. Chichester: John Wiley & Sons, 2004.

GUERRA, Antônio José Teixeira. Dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: IBGE, 1993.

IBGE. Cidades e Estados. Município de Milton Brandão. Mapa de localização. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2015.

IBGE. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual técnico de geomorfologia. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2009.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NATURAL - IPHAN. Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos/ CNSA/SGPA. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/sgpa/cnsa_resultado.php. Acesso em: 17 ago. 2019.

LIMA, Iracilde Maria de Moura Fé. Relevo piauiense: uma proposta de classificação. Carta CEPRO, Teresina, v. 12, n. 2, p. 55-84, ago. /dez. 1987.

MAGALHÃES, Sônia Maria Campelo. A arte rupestre do centro-norte do Piauí: indícios de narrativas icônicas. 2011. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2011.

MANSUR, Kátia Leite. Patrimônio geomorfológico, geoturismo e geoconservação: uma abordagem da geodiversidade pela vertente geológica. In: GUERRA, Antônio José Teixeira; JORGE, Maria do Carmo Oliveira (orgs.). Geoturismo, geodiversidade e geoconservação: abordagens geográficas e geológicas. São Paulo: Oficina de Textos, 2018. p. 4-42.

NASCIMENTO, Marcos A. L. do; SANTOS, Onésimo J. Geodiversidade na arte rupestre no Seridó Potiguar. Natal: IPHAN-RN, 2013.

OLIVEIRA, Paula Cristina Almeida da. Avaliação do patrimônio geomorfológico potencial dos municípios de Coromandel e Vazante, MG. 2015. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2015.

PANIZZA, Mario. Geomorphosites: concepts, methods and examples of geomorphological survey. Chinese Science Bulletin, Beijing, China, v. 46, p. 4-6, 2001.

PANIZZA, Mario; PIACENTE, Sandra. Geomorphological assets evaluation. Zeitschrft fur Geomorphologie. N. F., 1993. Suppl.

PEREIRA, Ana Ramos. Património geomorfológico no litoral sudoeste de Portugal. Finisterra, Lisboa, v. 30, n. 59-60, p. 7-25, 1995.

PEREIRA, Paulo Jorge da Silva. Patrimônio geomorfológico: conceptualização, avaliação e divulgação. Aplicação ao Parque Nacional de Montesinho. 2006. Tese. (Doutorado em Ciências – Geologia) - Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2006.

PESSIS, Anne Marie; GUIDON, Niéde. Registros rupestres e caracterização das etnias pré-históricas. In: VIDAL, Lux (org.). Grafismo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: Stúdio Nobel: EDUSP/FAPESP, 1992. p.19-34.

REYNARD, Emmanuel; BRILHA, José. Geoheritage: assessment, protection and management. Amsterdam: Elsevier, 2018.

RIVAS, Victoria et al. Geomorphological Indication for environmental impact assessment: consumable and non consumable geomorphological resources. Geomorphology, Amsterdam, NL, v. 18, p. 169-182, 1997.

SANTOS, Janaina Carla dos. O quaternário do Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil: morfoestratigrafia, sedimentologia, geocronologia e paleoambientes. 2007. Tese (Doutorado em Geociências) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

SOARES, Jefferson Paulo Ribeiro. Vulnerabilidade das unidades de paisagem do município de Milton Brandão-PI: subsidio ao ordenamento territorial. 2016. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2016.

TOPODATA. Banco de dados geomorfométricos do Brasil. São José dos Campos, SP: INPE, 2015. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/topodata/. Acesso em: 8 maio 2015.

TUIUIÚ. In: WIKIAVES: a enciclopédia das aves do Brasil. Aves do Planalto Central. [Jaburu]. Disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/tuiuiu. Acesso em: 15 jan. 2020.

UCEDA, Antonio Cendrero. Patrimonio geológico; diagnóstico, clasificación y valoración. In: SUÁREZ-VALGRANDE, Jaime Palacio (coord.). Jornadas sobre património geológico y desarrollo sostenible. Soria, España: Ministério de Medio Ambiente, 2000. p. 23-37.

VERDUM, Roberto; VIEIRA, Lucimar de Fátima dos Santos; PIMENTEL, Maurício Ragagnin. As múltiplas abordagens para o estudo da paisagem. Espaço Aberto, Rio de Janeiro, RJ, v. 6, n. 1, p. 131-150, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2021v30n1p247

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com