Resistências dos Movimentos Sociais e ONGs frente ao Avanço do Agronegócio no Oeste da Amazônia Paraense

Rayla de Lima Tavares, Francilene Sales da Conceição, Antonio Celso Serique de Castro Filho

Resumo


Este trabalho tem como objetivo analisar o papel dos movimentos sociais e organizações não governamentais (ONGs) frente ao avanço do agronegócio que se cristaliza no oeste do estado do Pará, região do Baixo Amazonas, no contexto da Geografia Agrária. Essa temática vem sendo muito debatida e enfrentada pelos movimentos sociais e ONGs no oeste paraense. A metodologia utilizada se deu por meio da revisão teórica conceitual e do trabalho de campo, com uso da técnica de entrevistas semiestruturadas com membros representantes de movimentos sociais e ONGs, bem como também registros de imagens do ambiente investigado. Nota-se que a partir da territorialização da agricultura capitalista e hegemônica houve mudanças das paisagens na região que metamorfoseou as relações socioespaciais e socioterritoriais. Nesse sentido, a implementação de sistemas logísticos (portos, hidrovias e rodovias) no oeste da Amazônia Paraense corrobora o acirramento e a materialização da grilagem de terras, dos conflitos agrários e territoriais, da manutenção da propriedade privada e da concentração fundiária.

Palavras-chave


Geografia agrária; Movimentos sociais; Agronegócio; Amazônia paraense.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2020v29n1p45

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com