Rupturas e permanências de uma população tradicional no pós-guerra: o caboclo do Contestado

Cristina Buratto Gross Machado

Resumo


Nosso intuito para este artigo não é debater especificamente acerca da Guerra do Contestado, mas lançar um olhar sobre os principais impactos desta guerra na população que fora a mais prejudicada durante e após esse conflito, os caboclos, e para isso, apresentaremos algumas informações já levantadas em nossa pesquisa de doutorado. Também pretendemos trazer uma reflexão sobre o modo como esta população tradicional vem lidando ao longo dos últimos 100 anos, contados a partir do final da guerra, que praticamente os dizimou, para manter seu modo de vida, sua identidade e suas tradições, já que o sustentáculo desse modo de vida estava na terra, que fora usurpada, na floresta da araucária, no pinhão e na erva-mate que, concomitantemente à população, que quase foram exterminados desta região. Nossa pesquisa está sendo construída sob o aporte metodológico do materialismo histórico e dialético, e para este artigo além das revisões bibliográficas e documentais, também trabalhamos a partir de informações coletadas em trabalhos de campo realizados na região do Contestado Catarinense.

Palavras-chave


Caboclos; Modo de vida; Populações tradicionais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2017v26n1p158

Direitos autorais 2017 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com