Sexo e Mercadoria

Roberto Florentino da Silva, Fernando dos Santos Sampaio

Resumo


Ao se enfocar a prostituição como uma atividade econômica que se adapta às mudanças sócio-econômicas do mundo, são inevitáveis as discussões sobre o que é “trabalho” e o que é “exploração” sexual, e até que ponto o sexo ou os serviços sexuais são considerados ou tratados como mercadoria, e se deve ocorrer o reconhecimento desse “trabalho” com a conseqüente regularização dessa profissão. Este artigo levanta algumas questões que estão no centro das discussões sobre esse tema.


Palavras-chave


Prostituição; Mercadoria; Sexo; Serviços sexuais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2014v23n1p85

Direitos autorais 2015 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com