O perfeito cozinheiro das almas deste mundo: literatura e experimentalismo

Valdemar Valente Junior

Resumo


Este artigo tem como proposta o aprofundamento acerca de questões que envolvem o Modernismo na obra O perfeito cozinheiro das almas deste mundo, espécie de puzzle composto a várias mãos em um livro-caixa que dá conta de uma experiência pré-modernista que se desenvolve entre 1918 e 1919 na garçonnière de Oswald de Andrade, localizada à Rua Líbero Badaró, no Centro de São Paulo. Na ocasião, o relacionamento de Oswald de Andrade com a jovem Daisy acaba por atrair ao local escritores que se constituiriam em alguns dos nomes mais importantes da Literatura Brasileira, a exemplo de Monteiro Lobato, Guilherme de Almeida e Menotti de Picchia. 


Palavras-chave


Experimentalismo; Escrita modernista; Criação coletiva; Narrativa crítica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Tereza Virgínia de. A ausência lilás da Semana de Arte Moderna: o olhar pós-moderno. Florianópolis, Letras Contemporâneas, 1998, p. 80.

______. Os dentes do dragão. Rio de Janeiro: Globo, 1990.

BRITO, Mário da Silva. O perfeito cozinheiro das almas deste mundo. In: ANDRADE, Oswald de. O perfeito cozinheiro das almas deste mundo. São Paulo, Globo, 1992, p. 12.

______. O perfeito cozinheiro das almas deste mundo. In: ANDRADE, Oswald de. O perfeito cozinheiro das almas deste mundo. São Paulo, Globo, 1992, p. 11.

CAMPOS, Haroldo de. Réquiem para Miss Cyclone, musa dialógica da pré-história textual oswaldiana. In: ANDRADE, Oswald de. O perfeito cozinheiro das almas deste mundo. São Paulo, Globo, 1992, p. 22.

CANDIDO, Antonio. A Revolução de 30 e a cultura. In: A educação pela noite e outros ensaios. Rio de Janeiro, Ouro Sobre Azul, 2006, p. 223.

FONSECA, Maria Augusta. Oswald de Andrade: biografia. São Paulo, Globo, 2008.

LARA, Cecília de. Introdução. In: Pressão afetiva e aquecimento intelectual: cartas de Antônio de Alcântara Machado a Prudente de Moraes, neto. São Paulo, Giordano Lemos, Educ, 1997, p. 14.

SCHWARZ, Roberto. A carroça, o bonde e o poeta modernista. In: Que horas são?: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 11-28.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.