A crônica como ferramenta de debate cultural, machado de Assis e história de quinze dias

Antonio Euclides Vega Pitombeira e Nogueira Holanda, Ana Marcia Alves Siqueira, Jean Paul Giusti

Resumo


O presente artigo analisa o papel político de Machado de Assis a partir de uma função que lhe ocupou muitos anos, mas que tem sido relegada a papel secundário: o cronista. A partir dos conceitos de Bourdieu de campo literário e poder simbólico, argumenta-se que Machado de Assis posicionou-se politicamente no intuito de promover uma ampla política cultural, capaz de construir meios e estruturas capazes de desenvolver as artes no país. Objetivava com isso, uma ampla educação populacional.


Palavras-chave


Machado de Assis; Crônica; Bourdieu; Campo literário

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. Ao Acaso. Obras completas. Org. Aluísio Leite, Ana Lima Cecilio, Heloisa Jahn. São Paulo: Nova Aguilar, 2015.

ASSIS, Machado de. O Espelho. Org. João Roberto Faria. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2009.

ASSIS, Machado de. História de quinze dias. Org. Leonardo Affonso de Miranda Pereira. Campinas, SP: Ed.Unicamp, 2009.

AUSTIN, J. L. How to do things with words. 2. ed. Editado por J. O. Urmson e Marina Sbisà. Cambridge: Harvard University Press, 1975.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 7ªed. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand editora, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Language et pouvoir symbolique. Paris : Édition Fayard, 2001.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. Rio de Janeiro: Companhia das letras, 1996.

CANDIDO, Antonio. “A vida ao rés-chão”. In: CANDIDO, Antonio; et al. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas, SP: Editora Unicamp; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

ROTHIER CARDOSO, Marília. “Moda da crônica: frívola e cruel”. In: CANDIDO, Antonio; et al. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas, SP: Ed. Unicamp; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

SAPERAS, E. Os Efeitos Cognitivos da Comunicação de Massas. Lisboa: Edições Asa, 2000.

SOUZA NEVES, Margarida. “Uma escrita no tempo: memória, ordem e progresso nas crônicas cariocas.” In: CANDIDO, Antonio; et al. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas, SP: Ed. Unicamp; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

ZAPATERO, Javier Sánchez. Um conversa de vizinhos: a crônica jornalística em Machado de Assis, entre o local e o universal. In: MACHADO, Ana Maria; et al. Machado de Assis: um autor em perspectiva. 1ªed. São Paulo: Global, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.