O percurso dos salmões e o processo da memória

Daniel Carlos Santos da Silva

Resumo


O conto "Madre, no entiendo a los salmones" (1990), escrito por Montserrat Roig, apresenta o relato de um republicano transmitido à protagonista Norma, que caminha entre distintos tempos empreendendo um intrincado processo rememorativo, simbolizado pelo movimento realizado pelos salmões do mar até o rio onde nascem. Nosso estudo propõe analisar de que maneira os diferentes planos narrativos se relacionam, visando à reflexão sobre a importância da memória na vida das personagens retratadas. Isso nos leva a considerar a importância do animal não humano para o texto literário, que compreende o período do pós-guerra civil espanhola e o sufocamento de um passado que vitimou milhares de republicanos nos campos de concentração nazistas.

Palavras-chave


Madre, no entiendo a los salmones; Memória; Pós-guerra civil espanhola.

Texto completo:

PDF

Referências


BEEVOR, Anthony. A batalha pela Espanha. Rio de Janeiro: Record, 2007.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo. Ed. 34, 2006.

LUENGO, Ana. La encrucijada de la memoria. Berlín: Tranvía, 2004

.

MENDILOW, Adam Abraham. O tempo e o romance. Porto Alegre: Globo, 1972.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François (et al.).Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ROIG, Montserrat. El cant de la joventut. Barcelona: Edicions 62, 2013.

ROIG, Montserrat. El canto de la juventud. Tradução: Joaquim Sempere. Barcelona: Península, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.