Cave canem: o encontro do homem e animal em Jaula, de Astrid Cabral

Maíssa Pires Ramos, Heloísa Helena Siqueira Correia

Resumo


Objetiva-se investigar as relações entre as personagens animais e humanas nos poemas “Cave canem” e “Encontro no jardim”, reunidos na obra <i>Jaula</i> (2006), da poetisa e ficcionista Astrid Cabral. Enfocando a outridade animal e a linguagem poética que a acompanha, analisam-se os modos e formas como o eu lírico dos poemas desenha as interações entre o ser humano e não humano: são relações de afastamento e de fusão, revelam a irredutibilidade do animal, ao mesmo tempo em que, em determinados momentos, produzem a fusão animal-homem. Dialoga-se com o pensamento de Maciel (2011), Derrida (2002), Lestel (2011), Leão (2011), Fagundes (2006) e Santos (2009).

Palavras-chave


Astrid Cabral; Jaula; Poesia; Outridade animal

Texto completo:

PDF

Referências


BATAILLE, Georges. Teoria da religião. Tradução: Sérgio Goes de Paula. São Paulo: Ática. 1993.

CABRAL, Astrid. O vôo pelo infinito, a busca do que não é obvio. 2010. Entrevista concedida a Vitor Nascimento Sá. Disponível em: http://grupoconcriz.blogspot.com/2010/09/vitor-nascimento-sa-entrevista-astrid.html. Acesso em: 16 nov. 2015.

CABRAL, Astrid. Cabral: a professora fala da poeta. In: LEÃO, Allison. Amazônia: Literatura e cultura. Manaus: UEA Edições, 2012.

CABRAL, Astrid. Percurso de uma paixão. In: CABRAL, Astrid. Antologia pessoal: Astrid Cabral. Brasília: Thesaurus, 2008.

CABRAL, Astrid. Jaula. Rio de Janeiro: Editora da Palavra, 2006.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução: Fábio Landa. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

DICIONÁRIO ETIMOLÓGICO. Significado de animal. Disponível em: https://www.dicionarioetimologico.com.br/animal/. Acessado em: 20 dez. 2015.

FAGUNDES, Igor. Do espanto às indagações: a zoopoética de Astrid Cabral. In: CABRAL, Astrid. Jaula. Rio de Janeiro: Editora da Palavra, 2006.

HEIDEGGER, Martin.¿Qué significa pensar? Madrid: Trotta, 2005.

KAFKA, Franz. A Metamorfose. São Paulo, Nova Alexandria, 2001.

LEÃO, Allison. Amazonas: natureza e ficção. São Paulo: Annablume; Manaus: FAPEAM, 2011.

LESTEL, Dominique. A animalidade, o humano e as comunidades híbridas. In: MACIEL, Maria Esther. Poéticas do animal. (Org.) Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora UFSC, 2011.

LISPECTOR, Clarice. Água Viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1979.

MACIEL, Maria Esther. O animal escrito - Um olhar sobre a zooliteratura contemporânea. São Paulo: Lumme Editor, 2008. Resenha de: JUNQUEIRA, Maria aparecida. Revista FronteiraZ, n. 11, 2013.

MACIEL, Maria Esther. Poéticas do animal. In: MACIEL, Maria Esther. (Org.) Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora UFSC, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Trad. Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral. In: NIETZSCHE, Friedrich. Obras incompletas. Tradução e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

NUNES, Benedito. O animal e o primitivo: os outros de nossa cultura. In: MACIEL, Maria Esther. Poéticas do animal. (Org.) Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora UFSC, 2011.

REIS, Eliana Lourenço de Lima. A floresta e o jardim: visões da natureza amazônica. In: LEÃO, Allison. Amazonas: natureza e ficção. SãoPaulo: Annablume; Manaus: FAPEAM, 2011.

SANTOS, Lucinéia Rodrigues dos. Astrid Cabral: poesia e cartografias da memória. 2009. 122 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2009.

TYLER, Tom. Como água na água. In: MACIEL, Maria Esther. Poéticas do animal. (Org.) Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora UFSC, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.