Ética animal e construção de identidades em Bicho, de Caetano Veloso

Diego Luiz Miiller Fascina, Evely Vânia Libanori

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar o disco "Bicho", de Caetano Veloso, lançado em 1977, sob o prisma da Ética Animal, de Peter Singer (2004) e de Sônia Felipe (2007). Iniciaremos com um breve olhar sobre o estilo do autor para, na sequência, analisarmos o conceito do álbum, apresentando a postura ética que abarca desde as informações contidas no encarte do disco até a temática das letras. Deter-nos-emos, sobretudo, nas canções “O leãozinho” e “Tigresa”, no intuito de discutir a construção de identidades dos seres narrados, que se dá por meio da mistura homogênea entre bicho e gente.

Palavras-chave


Caetano Veloso; Bicho; Construção de identidades; Ética animal

Texto completo:

PDF

Referências


DESCARTES, René. Discurso do método. In: DESCARTES, René. Os pensadores. 7. ed. Tradução: Jacob Guinsburg; Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1999, p. 7-30.

FELIPE, Sônia T. Ética e experimentação animal: fundamentos abolicionistas. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007.

LIBANORI, Evely Vânia; JARDIM, Maiara Usai. Ética animal em Clarice Lispector. In: LIBANORI, Evely Vânia; BRAGA, Elda Firmo; DIOGO, Rita Miranda (orgs). Representação animal na literatura. Rio de Janeiro: Oficina da leitura, 2015.

SINGER, Peter. Libertação animal. Tradução: Marly Winckler. Porto Alegre, São Paulo: Lugano, 2004.

VELOSO, Caetano. Verdade tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VELOSO, Caetano. Bicho. Phillips, 1977. (reedição de 2006)

WISNIK, Guilherme. Caetano Veloso. São Paulo: Publifolha, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.