O animal fabular O cachorro canibal, de José J. Veiga

Elzimar Fernanda Nunes Ribeiro

Resumo


Este artigo investiga a presença do animal fabular em “O cachorro canibal”, de José J. Veiga. O texto foi publicado originalmente na coletânea "A estranha máquina extraviada", de 1968, época em que o Brasil era governado por um opressivo governo ditatorial. Entretanto, a análise evita se restringir a uma leitura alegórica ao evidenciar várias camadas de sentido que constituem essa breve narrativa.

Palavras-chave


Fábula contemporânea; Simbolismo animal; Imaginário

Texto completo:

PDF

Referências


ADRADOS, Francisco Rodríguez. History of the Graeco-Latin fable: Introduction & from the Origins to the Hellenistic Ages. Tradução: Leslie A. Ray. Leiden; Boston; Colônica: Brill, 1999.

ALMEIDA Maria Cândida Ferreira de. Tornar-se o outro: o topos canibal na Literatura Brasileira. São Paulo: Annablume, 2002.

ALVES, Maria de Lourdes. O conto: uma leitura dialógica na perspectiva bakhtiniana. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense: Produção Didático-Pedagógica, v. 2. Londrina: Universidade Estadual de Londrina; Secretaria de Estado de Educação do Paraná, 2010. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/produco. Acesso em: 20 fev. 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. Tradução: Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BAUDYŠOVÁ, Veronika. A tradução comentada de contos de José J. Veiga. Práci (Magisterského portugalské a

anglické filologie) - Univerzity Palackého v Olomouci, 2010. Disponível em: http://www.theses.cz/id/0uecw7/85180-793523592.pdf. Acesso em: 20 fev. 2016.

BRITO, Célia Regina Sapater Morales. Formação de um leitor crítico com base na análise literária de contos de horror. Monografia (Docência do Ensino Superior) - Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: https://bit.ly/3jJ3gQX Acesso em: 20 fev. 2016.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia. Tradução: Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 34, 1997. v. 4.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução: Fábio Landa. São Paulo: UNESP, 2002.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: Introdução à arquetipologia geral. 3. ed. Tradução: Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FERREIRA, Nelson Henrique da Silva. Aesopica: a fábula esópica e a tradição fabular grega: Estudo, tradução do grego e notas. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014.

MACEDO-ECKEL. Ercília. Tentativa de apreensão do significado total de um conto. 1975. Disponível em: http://www.erciliamacedoescritora.com.br/Tentativa%20de%20. Acesso em: 20 fev. 2016.

MENTZEL, Rubén Eduardo. Clínica del comportamento: caninos y felinos domésticos. Revista de Etologia: Suplemento, v. 11, p. 56-58, 2012. Disponível em: http://www.etologiabrasil.org.br/sbet/XXX_Encontro_Anual_de_Etologia-Resumos.pdf. Acesso em: 23 fev. 2016.

NEVES, Márcia. Humanimalidades: Figurações da animalidade na narrativa fabulística do século XXI. In: MORAIS, Ana Paiva (Org.). História crítica da fábula na literatura portuguesa, 2013a. Disponível em: http://www.memoriamedia.net/bd_docs/Fabula/6.O%20animal%20fabular_Marc. Acesso em: 23 fev. 2016.

NEVES, Márcia. O animal fabular: Elementos para uma genealogia conceptual. In: MORAIS, Ana Paiva (Org.). História crítica da fábula na literatura portuguesa, 2013b. Disponível em: http://www.memoriamedia.net/bd_docs/Fabula/6.O%20animal%20fabular_Marc. Acesso em: 23 fev. 2016.

OLIVEIRA, Maria Angélica de. Caminhos da fábula: literatura, discurso e poder. Campina Grande: Bagagem, 2011.

PEREIRA, Paulo Alexandre. Da fábula e dos seus arredores: a exemplaridade animal na literatura medieval portuguesa. In: MORAIS, Ana Paiva (Org.). História crítica da fábula na literatura portuguesa, 2013. Disponível em: http://www.memoriamedia.net/bd_docs/Fabula/1.%20A%20exemplaridade%20a. Acesso em: 23 fev. 2016.

REZENDE, Antonio Martinez de; BIANCHET, Sandra Braga. Dicionário do latim essencial. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

SANTIAGO, Silviano. Leitura engajada do autor restringiu impacto da obra. Folha de São Paulo: Caderno Ilustrada, São Paulo, p. E6, 31 jan. 2015. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/01/1582892-analise-leitura-engajada-de-jose-j-veiga-restringiu-impacto-da-obra.shtml. Acesso em: 20 fev. 2016.

TURCHI, Maria Zaira. As variações do insólito em José J. Veiga. Organon, v. 19, n. 38- 39, p. 147-158, 2005. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/organon/article/viewFile/30065/18650. Acesso em: 20 fev. 2016.

ZILBERMAN, Regina. 1968 – Literatura: marcando presença, ainda que tardia. Organon, v. 23, n. 47, p. 73-77, 2009. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/29510/18195.Acesso em: 20 fev. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.