O animal como figura representativa do descompasso amoroso e da solidão humana

Eunice Prudenciano de Souza, Pauliane Amaral

Resumo


Este trabalho tem como objetivo mostrar, à luz dos estudos zooliterários, como a relação entre o homem e o animal no poema “Porquinho-da-índia”, de Manuel Bandeira e no conto “Zoiuda”, de Luiz Vilela, é motivada pela necessidade de afeto revelada pela incomunicabilidade e solidão que marcam a enunciação do sujeito lírico do poema e a psicologia da personagem do conto. Nossa hipótese é de que essa configuração confere ao animal aspectos antropomórficos, mais precisamente o de uma mulher, revelando o descompasso amoroso que marca a trajetória dos sujeitos dessas ficções.

Palavras-chave


Estudos animais; Literatura brasileira; Zooliteratura

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado. Dom Casmurro. Klick Editora para o jornal O Estado de São Paulo, 1997.

BANDEIRA, Manuel. Libertinagem. Rio de Janeiro: Pongetti, 1930.

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alan. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

ESOPO. Fábulas completas. Tradução: Maria celeste C. Dezotti. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

FELIPE, Sônia T. Ética e Direitos Animais. 2012. Palestra disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rJYQf9tseRs. Acesso em: 20 abr. 2016.

GONÇALVES, Lucas Fernando. A Graça” do Nada: Alguns aspectos filosóficos da ficção de Luiz Vilela. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens).-Universidade Federal de Mato Grosso do Sul,Campo Grande, 2014.

GUIDA, Ângela. Para uma política da animalidade. Darandina Revisteletrônica. Simpósio Internacional Literatura, Crítica, Cultura: Literatura e Política, 5., 2011. Juiz de Fora. Anais [...]. Juiz de Fora: UFJF. 2011. Disponível em: http://www.ufjf.br/darandina/. Acesso em: 25 fev. 2016.

HUGHES, Ted. O Jaguar. Trad. Sérgio Alcides. Suplemento literário, Belo Horizonte, n. 1332, p. 40, set./out. 2010. Disponível em: http://www.cultura.mg.gov.br/files/2010-setembro-outubro-1332.pdf. Acesso em: 20 abr. 2016.

LESTEL, Dominique; REIS, Maria João. As origens animais da cultura. São Paulo: Instituto Piaget, 2002.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

SCLIAR, Moacyr. Max e os felinos. Porto Alegre: L&PM Pocket, 1981.

TELLES, Lygia Fagundes. As horas nuas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

TORRE, Felipe Santos de. A animalidade e a condição humana: aspectos zooliterários na obra contística de Luiz Vilela. Dissertação (Mestrado em Letras). - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

VIEIRA, Jorge de Albuquerque. Semiosfera e o conceito de Umwelt. In: MACHADO, Irene (Org.). Semiótica da cultura e Semiosfera. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2007.

VILELA, Luiz. Graça. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

VILELA, Luiz. Lindas pernas. São Paulo: Cultura, 1979.

VILELA, Luiz. No bar. Rio de Janeiro: Bloch, 1968.

VILELA, Luiz. Tarde da noite. São Paulo: Vertente, 1970.

VILELA, Luiz. Tremor de Terra. Belo Horizonte: edição do autor, 1967.

VILELA, Luiz. Você Verá. Rio de Janeiro: Record, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.