O espectro da besta no homem em Meu tio o Iauaretê, de Guimarães Rosa

Geisy Nunes Adriano

Resumo


O animal habitou o primeiro círculo relacional do homem em sua relação com o mundo, tanto em forma de carne e couro, como sob o manto da magia. Povoa, também, o imaginário primitivo, tal como o contemporâneo, consistindo em uma de suas primeiras metáforas, ademais é tema recorrente na história das representações. Nesse contexto, o prisma literário disseca e expõe o espectro da besta entranhado no homem. Valendo-se, a literatura, de um raciocínio analógico sob essa relação, a presente pesquisa propõe a análise das representações de animais na obra “Meu Tio o Iauaretê”, de Guimarães Rosa, a partir do diálogo com produções literárias e filosóficas, tendo como referencial teórico os estudos de Agamben (2002), Bataille (1993), Deleuze; Guattari (2012), Derrida (2002), Maciel (2008; 2011), entre outros.

Palavras-chave


Guimarães Rosa; Humanidade e animalidade; Alteridade

Texto completo:

PDF

Referências


BATAILLE, Georges. Teoria da religião. São Paulo: Ática, 1993.

BERGER, John. Por que olhar os animais? In: BERGER, John. Sobre o olhar. Tradução: Lya Luft. Barcelona: Gustavo Gilli, 2010.

BOSI, Alfredo. Poesia-Resistência. In: BOSI, Alfredo. O Ser e o Tempo da Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. Estados Unidos: Log On Editora Multimídia: TV Cultura, 1988.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito com Bill Moyers. Tradução: Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990. Disponível em: http://gepai.yolasite.com/resources/joseph_campbell_%20o_poder_do_mito.pdf. Acesso em: 28 jul. 2013.

COETZEE, J. M. A vida dos animais. Tradução: José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Devir-intenso, devir-animal, devir-imperceptível.In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. tradução: Suely Rolnik. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012. (Coleção TRAN, v. 4).

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Trad. Fábio Landa. São Paulo: UNESP, 2002.

FERREIRA, Ermelinda. Metáfora animal: a representação do outro na literatura. 2005. Disponível em: http://www.gelbc.com.br/pdf_revista/2607.pdf. Acesso em: 7 abr. 2012.

FERREIRA, Jonatas. Heidegger, Agamben e o animal. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 23, n. 1, p. 199-221, 2011.

GUALANDI, Alberto. Deleuze. Tradução: Danielle Ortiz Blachard. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

GUIDA, Angela Maria. Literatura e estudos animais. Raído, Dourados, MS, v. 5, n. 10, p. 287-296, jul./dez. 2011.

IMBROISI, Waldyr, SCORALICK, Joyce. Solidão: a linguagem em devir do Iauaretê. Macabéa. Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 1, n. 1, p. 68-85, 2012.

MACIEL, Maria Esther. O animal escrito: um olhar sobre a zooliteratura contemporânea. São Paulo: Lumme, 2008.

MACIEL, Maria Esther. Animais poéticos, poesia animal. In: BASTAZIN, Vera (Org.). Travessias Poéticas: Poesia Contemporânea. São Paulo: EDUC, 2011.

MONTAIGNE, Michel. Ensaios: livro II. São Paulo: ed. Globo, 1987.

PIZZI, Ana Paula. O devir-lugar da onça: entre rastros e sobrevivências. Revista Interdisciplinar, ano 5, v. 10, p. 333-342, jan/jun de 2010.

ROSA, João Guimarães. Meu Tio o Iauaretê. In: ROSA, João Guimarães. Estas Estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.