A revolução dos bichos não humanos: uma análise animalesca e abolicionista

Charlies Uilian de Campos Silva, Verônica Franciele Seidel

Resumo


Os animais não humanos são, usualmente, vistos como coisas/propriedade, de modo que não há uma preocupação em preservar seus direitos. Diante disso, neste estudo, pretendemos discutir, a partir de uma reflexão sobre a linguagem, o modo como a relação entre humanos e não humanos é evidenciada em A Revolução dos Bichos, de George Orwell. Essa obra representa um sistema ético em que todos os animais possuem igual valor; contudo, também estabelece uma aproximação entre humanos e não humanos no momento em que estes adotam o mesmo sistema de opressão outrora instaurado por aqueles, servindo de inspiração para repensar tais relações.

 


Palavras-chave


Linguagem; Especismo; Objetificação; Libertação animal

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. Trad. Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução: Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BENTHAM, Jeremy. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação. Tradução: Luiz. J. Baraúna. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral II. São Paulo: Pontes Editores,2006.

BLUWOL, Dennis Zagha. Ética libertária interdependente: veganismo, ecologia,saúde, política e liberdade. In: ANDRADE, Silvana (Org.). Visão Abolicionista: ética edireitos animais. São Paulo: Libra Três, 2010. p. 73-82.

BRÜGGER, Paula. Nós e os outros animais: especismo, veganismo e educação ambiental. Linhas críticas, v. 15, n. 29, p. 197-214, jul./dez. 2009. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/1935/193514388002.pdf. Acesso em: 19 fev. 2016.

BUBNOVA, Tatiana. O princípio ético como fundamento do dialogismo em Mikhail Bakhtin. Conexão Letras, v. 8, n. 10, p. 9-18, 2013. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/conexaoletras/article/view/55173/33554. Acesso em: 19 fev. 2016.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou: a seguir. Tradução: Fábio Landa. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FELIPE, Sônia T. Redefinindo a comunidade moral. In: Maria de Lourdes Alves Borges; José Nicolau Heck (Orgs.). Kant: liberdade e natureza. Florianópolis: Edufsc,2005. p. 263-278.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001. p. 15-37.

FRANCIONE, Garry Lawrence. Animals as persons: essays on the abolition of animal exploitation. New York: Columbia University Press, 2008.

JANZEN, Henrique Evaldo. Concepção bakhtiniana de literatura e a análise de personagens nos livros didáticos de LEM. Bakhtiniana, v. 7, n. 1, p. 107-124, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S217645732012000100007&script=sci_arttext. Acesso em: 19 fev. 2016.

MOSÉ, Viviane. A palavra como verdade. In: MOSÉ, Viviane. Nietzsche e a grande política da linguagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 70-86.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falou Zaratustra. Tradução. Mário da Silva. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Obras incompletas. 4. ed. Tradução: Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

ORWELL, George. A Revolução dos Bichos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SINGER, Peter. Ética prática. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998

TRINDADE, Gabriel Garmendia da. Animais como Pessoas: a abordagem abolicionista de Garry L. Francione. São Paulo: Paco Editorial, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.