A aids nas crônicas de Caio Fernando Abreu

Milena Mullati Magri

Resumo


A Aids está presente em grande parte das crônicas de Caio Fernando Abreu, sobretudo após ser diagnosticado com a doença. O escritor elabora uma linguagem específica para falar sobre o assunto, misturando biografia, ficção e testemunho. A liberdade da crônica de jornal é ideal para a realização desta experiência literária. Além disso, a periodicidade da publicação e a proximidade com o leitor permitem uma atuação política do escritor para combater o preconceito contra a doença.


Palavras-chave


Aids; Testemunho; Crônica; Caio Fernando Abreu

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, C. F. Os dragões não conhecem o paraíso. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

ABREU, C. F. Onde andará Dulce Veiga? Um romance B. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

ABREU, C. F. Ovelhas negras. Porto Alegre: L&PM, 2002.

ABREU, C. F. Pequenas epifanias. Rio de Janeiro: Agir, 2006.

BLANCHOT, M. O instante da minha morte. Tradução: Fernanda Bernardo. Porto: Campo das Letras, 2003.

DERRIDA, J. Demeure: Fiction and Testimony. Stanford: Stanford University Press, 2000.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2009.

SELIGMANN-SILVA, M. (Org) História, memória, literatura: O testemunho na era das catástrofes. Campinas-SP: Ed. Unicamp, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.