A biblioteca de babel como espaço do sagrado

Marcella Abboud

Resumo


O presente trabalho apresenta uma análise do conto “A Biblioteca de Babel”, do autor argentino Jorge Luis Borges, como um espaço pertencente ao Sagrado, com a caracterização dada pela dicotomia entre Sagrado e Profano que nos é apresentada por Mircea Eliade, em “O Sagrado e o Profano: a essência das religiões”. A Biblioteca, além de Sagrada, constitui-se como Sublime, nos moldes dos dizeres kantianos.

 


Palavras-chave


Sagrado; Biblioteca; Borges; Sublime

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Paulus, 2008.

BORGES, Jorge Luis. Obras completas. Buenos Aires: Emecé, 2010.

ELIADE, Mircea. Sagrado e o Profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade do Juízo. 2 . ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.