No caminho das máscaras: uma leitura de Da morte. Odes mínimas (2003) de Hilda Hist

Arlene Leite de Almeida

Resumo


Este artigo pretende analisar alguns poemas que nomeiam a morte no livro Da morte. Odes mínimas(2003) de Hilda Hilst, considerando as reflexões questionadoras que se instalam de maneira precária, pois ao tentar dizer a morte, o eu lírico, ao instalar-se como “ato fundador”, dá-lhe um sentido que muitas vezes lhe escapa. A morte se disfarça (se mascara), o poema torna-se um espaço de apreensão, em que a voz e a palavra poética se amarram a nomes que se revelam perturbadores do indizível, permanecendo a palavra da incompreensibilidade e muitas vezes a voz do silêncio. Tudo é fronteiriço. A insuficiência da linguagem diante da morte torna-se reflexão e o desejo de captar os mistérios insondáveis da morte torna-se (im) possibilidade de “perfazer a viagem de retorno da alma ao pó”. Desse modo, o trabalho em questão irá promover um estudo, nos poemas XIX e XXIII, sobre a nomeação da morte nestes, esperando perceber os elementos representativos da morte.


Palavras-chave


Hilda Hilst; Morte; Nomeação; Máscara

Texto completo:

PDF

Referências


BADIOU, Alain. Pequeno Manual de Inestética. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução: Antonio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BECKER, Ernest. A negação da morte. 2. ed. Tradução: Luiz Carlos Nascimento Silva. Rio de Janeiro: Record, 1973.

BLANCHOT, M. L’écrituredudésastre. Paris: Gallimard, 1980.

BLANCHOT, M. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BLANCHOT, M. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, Editora da Universidade de São Paulo, 1977.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 24. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

DUARTE, Lélia Parreira. De Orfeu e de Perséfone: morte e literatura. São Paulo: Ateliê Editorial; Belo Horizonte: PUC Minas, 2008.

HISLT, Hilda. Da morte. Odes Mínimas. São Paulo: Globo, 2003.

IVO, Lêdo. O vento do mar, Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras e Contra Capa, 2011.

MOISES, M. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1978.

MORIN, Edgar. O Homem e a Morte. Tradução: João Guerreiro Boto e Adelino dos Santos Rodrigues, Mem Martins, Publicações Europa América, 1988.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PÉCORA, Alcir. Notas do organizador. In: HILST, Hilda. Da morte. Odes mínimas. São Paulo: Globo, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.