Altas habilidades e o desafio do atendimento

Célia Maria Ferreira Barreto, Marsyl Bulkool Mettrau

Resumo


O Estudo foi realizado em uma escola federal de ensino, localizada no Rio de Janeiro. Estabeleceu como objetivos gerais investigar as representações sociais dos professores sobre as altas habilidades e a existência da indicação de alunos com esse perfil para atendimento. Utilizou duas amostras diferenciadas. Uma formada de 36 professores que atuavam do 1º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio e a uma outra composta por quatro Setores do colégio, responsáveis pela registro histórico dos alunos. Aplicou a análise de conteúdo no tratamento dos dados obtidos. Os resultados mostraram que os professores respondentes têm representações sociais sobre altas habilidades e que não há alunos com altas habilidades matriculados na instituição, segundo os Setores pesquisados. A pesquisa sugere urgência no implemento de ações inclusivas para as altas habilidades nessa escola, assim como a continuidade nessa investigação.

Palavras-chave


altas habilidades; representações sociais; atendimento

Texto completo:

PDF

Referências


Fazenda, I. C. A. (1995). Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Edições

Loyola. Landau, E. (2002). A Coragem de ser superdotado. Trad. De Sandra Miessa. Altas habilidades em foco. São Paulo:Arte & Ciência Editora.

Mettrau, M. B. (2000). Inteligência Patrimônio Social. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora Ltda.

Mettrau, M.B. (2007). Educação Moral, Inteligência e Altas Habilidades in Rumos e Resíduos da MORAL Contemporânea. Niterói: Muiraquitã.

Ministério da Educação e Cultura (1996). Lei Nº. 9.394 Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Editora do Brasil. Ministério da Educação e Cultura.

Moscovici, S. (2003). Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Ed. Vozes.

Renzulli, J. S. (1994). El Concepto de los três anillos de la superdotacion: um modelo de desarrollo para una productividad creativa. In Y. Benito (Org.), Intervención e Investigación Psicoeducativas en Alumnos Superdotados (pp. 41-71). Salamanca: Amarú Ediciones.

Renzulli, J. S. (2004). O que é esta coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Educação - Porto Alegre – RS, 52(1), 75 – 131.

Richardson, R. J., & Col. (2008). Pesquisa Social Métodos e Técnicas (3ª ed.). São Paulo: Editora Atlas S. A.

Secretaria de Educação Especial. (2006). Documento Orientador Execução da Ação dos Núcleos de Atividades de Altas Habilidades / Superdotação. Brasília.

Spink, M. J. (1993). O conhecimento no cotidiano e as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Editora Brasiliense.

Winner, E. (1998). Crianças Superdotadas mitos e realidades. Porto Alegre: Artes Médicas.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2010v1n1p66

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)