Problematizações acerca das violências no namoro: relato de experiência

Camila Maffioleti Cavaler, Giovana Ilka Jacinto Salvaro, Monica Ovinsk Camargo Cortina

Resumo


Trata-se de um relato de experiência do estágio em Psicologia Social realizado em uma ONG no sul do estado de Santa Catarina. São abordadas problematizações produzidas em dois encontros específicos. O objetivo foi problematizar violências que permeiam o namoro e apresentar a rede de proteção à violência contra às mulheres. Participaram dos encontros aproximadamente 80 jovens, divididos em quatro grupos. Os encontros foram quinzenais, com duração de 1h30mim. Abordou-se as tipificações da violência doméstica, o ciclo da violência, a Lei Maria da Penha e o ECA. As discussões demonstraram situações em que as violências são conhecidas, naturalizadas e, às vezes, consideradas legítimas. Além disso, foi observado o reconhecimento do ciclo da violência, nos âmbitos pessoal e familiar. Suscitaram também discussões sobre redução da maioridade penal, racismo, violência policial e violências associadas a transtornos mentais. Ressaltamos a importância da construção de espaços que possibilitem a problematização e desnaturalização das situações de violência. 


Palavras-chave


adolescente; violência; violência contra a mulher

Texto completo:

PDF

Referências


Antezana, A. P. (2012). Intervenção com homens que praticam violência contra seus cônjuges: reformulações teórico-conceituais para uma proposta de intervenção construtivista narrativista com perspectiva de gênero. Nova Perspectiva Sistêmica, 21(42). https://doi.org/10.38034/nps.v21i42.121

Batista, A. B., Medeiros, J. L., & Macarini, S. (2017). Violência conjugal e as delegacias especializadas: as implicações da judicialização dos conflitos. In: Batista, A. P. & Medeiros, J. L (org). Psicologia e polícia: diálogos possíveis (p. 103-122). Curitiba: Juruá.

Cerqueira et al. (2020). Atlas da violência 2020. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada – IPEA. Recuperado de: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/200826_ri_atlasda_violencia.pdf

Cordeiro, R. L. M., Barbosa Filho, E. A., Santos, G. M. N. C., Oliveira, L. A. & Araújo, R. B. (2010). Meninas de moral: experiências socioeducativas em um bairro popular do Recife. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(1), 188-199. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000100014

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de informações penitenciárias período de janeiro a junho de 2020. Recuperado de https://www.gov.br/depen/pt-br/sisdepen

Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2021). Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. 3ed. Recuperado de https://forumseguranca.org.br/wpcontent/uploads/2021/06/relatorio-visivel-e-invisivel-3ed-2021-v3.pdf

Foucault, M. (2013). Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42ª ed. Petrópolis: Vozes.

Gessner, R., Fonseca, R. M. G. S., & Oliveira, R. N. G. (2014). Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(1), 102-108. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000600015

Groppo, L. A. (2000). Juventude: ensaios sobre sociologia e história das juventudes modernas. Rio de Janeiro: Difel

Lei 11.340, de 07 de Agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Minayo, M. C. S, Assis S. G. & Njaine K. (2011). Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do ‘ficar’ entre jovens brasileiros. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Nascimento, F. S. & Cordeiro, R. L. M. (2011). Violência no namoro para jovens moradores de Recife. Psicologia & Sociedade, 23(3), 516-525. https://doi.org/10.1590/S0102-71822011000300009

Nunes, M., & Torrenté, M. (2009). Estigma e violências no trato com a loucura: narrativas de centros de atenção psicossocial, Bahia e Sergipe. Revista de Saúde Pública, 43(1), p. 101-108. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000800015

Oliveira, Q. B. M., Assis, S. G., Njaine, K., & Pires, T. O. (2016). Violência física perpetrada por ciúmes no namoro de adolescentes: um recorte de gênero em dez capitais brasileiras. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(3), p. 1-12. https://doi.org/10.1590/0102-3772e32323

Saffioti, H. Gênero, patriarcado, violência. 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

Silva, K. C., Coutinho, M. P. L., Bú, E. A,., Cavalcanti, J. G., & Pinto, A. V. L. (2020). Representações sociais da violência no namoro elaboradas por adolescentes. Pensando famílias, 24(1), 160-174. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v24n1/v24n1a12.pdf.

Venturi, G. (2014). Masculinidades e violência de gênero: machismo e monogamia em cena. In: E. Blay, Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher (p. 149-171). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Vigoya, M. V. (2018). As cores da masculinidade: experiências interseccionais e práticas de poder na nossa América. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2021v12n2p206

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)