Psicanálise, clínica ampliada e dor física: algumas articulações

Rodrigo Sanches Peres, Josiane Cristina Bocchi

Resumo


A Psicanálise é capaz de enriquecer a clínica ampliada e, assim, viabilizar a superação de limitações inerentes ao modelo biomédico que se revelam por meio de práticas em saúde voltadas a pacientes que padecem de dor física. O presente estudo possui um duplo objetivo. Em primeiro lugar, buscaremos traçar um breve panorama de tentativas de compreensão da dor física ao longo da história, a fim de contextualizar e problematizar o surgimento e a consolidação do modelo biomédico. Em segundo lugar, discutiremos alguns aportes psicanalíticos para a apreensão teórica da dor física que, a nosso ver, podem gerar contribuições relevantes para a clínica ampliada. Concluímos, com base em formulações freudianas e pós-freudianas, que a dor física, desde diferentes ângulos, ocupa um “lugar” fronteiriço, em contraste com o que sugere o modelo biomédico. Com isso, iluminamos aspectos subjetivos das condições dolorosas que merecem ser levados em conta pelos profissionais de saúde.


Palavras-chave


Dor; clínica ampliada; teoria psicanalítica; saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, J. A. C. (2002). Pensando o processo saúde doença: A que responde o modelo biomédico? Saúde e Sociedade, 11(1), 67-84. https://doi.org/10.1590/S0104-12902002000100008

Bourke, J. (2014). The story of pain: From prayer to painkillers. Oxford: Oxford University Press.

Campos, D. T. F. (2012). O cuidado e o sujeito: Questões acerca da clínica ampliada. In M. Winograd & M. Souza (Orgs.), Processos de subjetivação, clínica ampliada e sofrimento psíquico (pp. 33-48). Rio de Janeiro, RJ: Cia. de Freud.

Campos, G. W. S. (2015). Possibilidades de uma clínica do sujeito na atenção primária à saúde. In R. M. Volich, W. Ranña & M. E. P. Labaki (Orgs.), Psicossoma V: Integração, desintegração e limites (pp. 447-470). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Carr, D. B. (2016). “Pain is a public health problem”: What does that mean and why should we care? Pain Medicine, 17(4), 626-627. https://doi.org/10.1093/pm/pnw045

Freud, S. (1996). Projeto para uma psicologia científica (J. L. Meurer, Trad.). In J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 1, pp. 347-468). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1950[1895]).

Freud, S. (1996). Repressão (Britto, T. O., Britto, P. H., & Oiticica, C. M., Trads.). In J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 14, pp. 151-162). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1915a).

Freud, S. (1996). Os instintos e suas vicissitudes (Britto, T. O., Britto, P. H., & Oiticica, C. M., Trads.). In: J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 14, pp. 123-144). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1915b).

Freud, S. (1996). Luto e melancolia (Britto, T. O., Britto, P. H., & Oiticica, C. M., Trads.). In J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 14, pp. 249-263). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1917[1915]).

Freud, S. (1996). Além do princípio de prazer (E. A. M. Souza, Trad.). In J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 18, pp. 17-75). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920).

Freud, S. (1996). O problema econômico do masoquismo. (E. A. M. Souza, Trad.). In J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 19, pp. 177-188). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1924).

Freud, S. (1996). Inibições, sintomas e ansiedade (C. M. Oiticica, Trad). In J. Salomão (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 20, pp. 91-170). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1926).

Le Breton, D. (1995). Anthropologie de la douleur. Paris: Métailié.

Lima, M. A. G., & Trad, L. (2008). Dor crônica: Objeto insubordinado. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 15(1), 117-133. https://doi.org/10.1590/S0104-59702008000100007

Lobato, O. (2010). O problema da dor. In J. Mello Filho & M. Burd (Orgs.), Psicossomática hoje (pp. 235-254). 2a ed. Porto Alegre, RS: ArtMed.

Marty, P. (1976). Les mouvements individuels de vie et de mort. Paris: Payot.

Marty, P. (1993). A psicossomática do adulto (P. C. Ramos, Trad.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Pérez-Cajaraville, J. A., Abejón, D., Ortiz, J. R., & Pérez, J. R. (2005). El dolor y su tratamiento a través de la historia. Revista de la Sociedad Española del Dolor, 12(6), 373-384.

Sabatowski, R., Schäfer, D., Kasper, S. M., Brunsch, H., & Radbruch, L. (2004). Pain treatment: A historical overview. Current Pharmaceutical Design, 10(7), 701-716. https://doi.org/10.2174/1381612043452974

Task Force on Taxonomy of the International Association for the Study of Pain (1994). Classification of chronic pain: Descriptions of chronic pain syndromes and definitions of pain terms. Seattle: IASP Press.

Teixeira, M. J., & Okada, M. (2009). Dor: Evolução histórica dos conhecimentos. In O. Alves Neto, C. M. C. Costa, J. T. T. Siqueira, & M. J. Teixeira (Orgs.), Dor: Princípios e prática (pp. 27-56). Porto Alegre, RS: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3suplp117

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)