A lógica do significante como um método de pesquisa em psicanálise

Bernardo Sollar Godoi

Resumo


A pesquisa em psicanálise é um tema recorrentemente debatido e possui um já extenso histórico no contexto brasileiro. Este texto parte de uma discussão a respeito desse tema, mais especificamente, de uma discussão suscitada pelo texto Pesquisa de tipo teórico, de Luiz Alfredo Garcia-Roza, acerca da utilização do significante como modalidade própria de pesquisa psicanalítica. Para trabalhar tal questão, foram abordados os fundamentos do conceito de significante de Ferdinand de Saussure, bem como a sua passagem para a psicanálise, com o trabalho de Jacques Lacan. Com a elaboração da teoria do significante lacaniano, foi identificado que o significante não funciona como um conceito, mas como um método de abordagem, o que justifica compreendê-lo como uma lógica em detrimento de tratá-lo como um termo ordinário. Posteriormente, foram explorados o alcance e as implicações desse método de pesquisa, tendo como chaves de leitura importantes textos de Roland Barthes e Michel Foucault.


Palavras-chave


significante; pesquisa; método; Lacan; psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


Barthes, R. (2004). A morte do autor (1968). In R. Barthes, O rumor da língua (2a ed., pp. 57-64). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1984).

Barthes, R. (2006). Elementos de semiologia (16a ed.). São Paulo, SP: Cultrix, 2006. (Trabalho original publicado em 1964).

Birman, J. (1994a). A clínica na pesquisa psicanalítica. Psicanálise e Universidade (PUC-SP), 2, 7-37.

Birman, J. (1994b). A direção da pesquisa psicanalítica. In Psicanálise, ciência e cultura (pp. 13-27). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed.

Birman, J. (1996). A escritura nos destinos da psicanálise. In Por uma estilística da existência: Sobre a psicanálise, a modernidade e a arte (pp. 69-87). São Paulo: Editora 34.

Bloom, H. (1975). A map of misreading. New York, NY: Oxford University Press.

Bloom, H. (1997). The anxiety of influence: A theory of poetry (2nd ed.). New York, NY: Oxford University Press. (Trabalho original publicado em 1973).

Bloom, H. (2002). A angústia da influência: Uma teoria da poesia (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1973).

Bloom, H. (2003). Um mapa da desleitura (T. M. Nóbrega, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1975).

Borges, J. L. (2007). Kafka e seus precursores. In K. L. Borges, Outras inquisições (pp. 127-130). São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1951).

Bowie, M. (1993). Lacan. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Cassin, B. (2017). Jacques, o sofista: Lacan, logos e psicanálise. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1997). O que é um conceito? In G. Deleuze & F. Guattari, O que é a filosofia? (pp. 25-47). Rio de Janeiro, RJ: Ed. 34. (Trabalho original publicado em 1991)

Foucault, M. (2007). A arqueologia do saber (7a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária. (Trabalho original publicado em 1969).

Foucault, M. (2009). O que é um autor? (1969). In Estética: Literatura e pintura, música e cinema (2a ed., Coleção Ditos & Escritos, Vol III, pp. 264-298). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária. (Trabalho original publicado em 1994).

Garcia-Roza, L. A. (1994). Pesquisa de tipo teórico. Psicanálise e Universidade (PUC-SP), 1, 9-32.

Goldenberg, R. (2018). Desler Lacan. São Paulo, SP: Instituto Langage.

Jakobson, R. (1975). Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia (1954). In R. Jakobson, Linguística e comunicação (8a ed., pp. 34-62). São Paulo, SP: Editora Cultrix.

Lacan, J. (1975). Yale University. Entretien avec des étudiants. Scilicet, 6/7, 32-37. Recuperado de: http://ecole-lacanienne.net/wp-content/uploads/2016/04/1975-11-24a.pdf.

Lacan, J. (1983). O seminário, livro 1: Os escritos técnicos de Freud (3a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed.

Lacan, J. (1985). O seminário, livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed.

Lacan, J. (1995). O seminário, livro 4: A relação de objeto. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Lacan, J. (1998). A ciência e a verdade. In Escritos (pp. 869-892). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1966).

Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In Escritos (pp. 496-533). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1957).

Lacan, J. (1998). De um silabário a posteriori. In Escritos (pp. 725-733). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1959a).

Lacan, J. (1998). Diretrizes para um Congresso sobre a sexualidade feminina. In Escritos (pp. 734-745). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1960).

Lacan, J. (1998). De uma questão preliminar a todo tratamento possível da psicose. In Escritos (pp. 537-590). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1959b).

Lacan, J. Formulações sobre a causalidade psíquica. In Escritos (pp. 152-194). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1946).

Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In Escritos (pp. 238-324). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1953).

Lacan, J. (1998). Introdução teórica às funções da psicanálise em criminologia. In Escritos (pp. 127-151). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1950).

Lacan, J. (1998). Kant com Sade. In Escritos (pp. 776-803). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1962).

Lacan, J. (1998). O seminário sobre “A carta roubada”. In Escritos (pp. 13-66). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1955a).

Lacan, J. (1998). Para-além do “Princípio de realidade”. In Escritos (pp. 77-95). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1936).

Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1960b).

Lacan, J. (1998). Variantes do tratamento-padrão. In Escritos (pp. 325-364). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1955b).

Lacan, J. (2003). Prefácio a uma tese. In Outros escritos (pp. 389-399). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1969)

Lacan, J. (2005). O simbólico, o real e o imaginário. In Nomes-do-pai (pp. 9-53). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1953).

Lévi-Strauss, C. (2003). Introdução à obra de Marcel Mauss. In M. Mauss (Ed.), Sociologia e antropologia. São Paulo, SP: Cosac Naify. (Trabalho original publicado em 1950).

Mezan, R. (1993) Que significa “pesquisa” em Psicanálise? In M. E. L. Silva (Ed.), Investigação e Psicanálise (pp. 49-89). Campinas, SP: Papirus.

Mezan, R. (2000). Psicanálise e pós-graduação: Notas, exemplos, reflexões. In Interfaces da Psicanálise (pp. 395-435). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Nancy, J.-L.; Lacoue-Labarthe, P. (1991). O título da letra: Uma leitura de Lacan. São Paulo, SP: Escuta. (Trabalho original publicado em 1973)

Nobus, D. (2003). Lacan’s science of the subject: Between linguistics and topology. In J.-M. Rabaté (Ed.), The cambridge companion to Lacan (pp. 50-68). New York, NY: Cambridge University Press.

Pinto, J. M. (2018). O lugar da contingência na clínica e na pesquisa em psicanálise: Mais ainda sobre o problema do método. In T. Ferreira & A. Vorcaro, Pesquisa e psicanálise: Do campo à escrita (pp. 63-77). Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Roudinesco, E. (1988). História da Psicanálise na França: A batalha dos cem anos (Vol. 2, 1925-1985). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor Ltda.

Roudinesco E. (1994). Jacques Lacan: Esboço de uma vida, história de um sistema de pensamento. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Sass, S. D. (2019). O método compreensivo na obra de Dilthey. Revista de Filosofia Aurora, 31(53), 536-557.

Saussure, F. (1975). Curso de linguística geral. São Paulo, SP: Editora Cultrix. (Trabalho Original publicado em 1916)

Simanke, R. (2002). Metapsicologia lacaniana: Os anos de formação. São Paulo, SP: Discurso Editorial.

Simanke, R. (2003). A letra e o sentido do “retorno a Freud” de Lacan: A teoria como metáfora. In V. Safatle (Ed.), Um limite tenso: Lacan entre a filosofia e a psicanálise (pp. 277-303). São Paulo, SP: Editora UNESP.

Teixeira, A. (2007). Prólogo. In A soberania do inútil e outros ensaios sobre psicanálise e cultura (pp. 15-22). São Paulo, SP: Annablume.

Zafiropoulos, M. (2010). Lacan and Lévi-Strauss or the return to Freud (1951-1957). London, UK: Karnac Books Ltd.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p196

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)