Antropogênese das doenças orgânicas: uma nova visão em psicossomática

Guilherme de Andrade Salgado, Carlos Augusto Peixoto Júnior

Resumo


O debate sobre a relação mente-corpo, um dos maiores problemas filosóficos existentes, perpassa outras áreas do conhecimento. Do ponto de vista da prática psicoterápica, o atendimento a pacientes com doenças orgânicas contribuiu para o surgimento do campo da psicossomática. Inicialmente, esse artigo visa apresentar os principais conceitos das Escolas de Psicossomática de Chicago e Paris, as mais relevantes no Ocidente. Como resposta a essas visões, consideradas reducionistas e exageradamente intrapsíquicas, serão apresentados estudos sobre o vínculo humano. A partir de tal descrição emergirá uma proposta de compreensão teórica do fenômeno psicossomático tomando como matriz as considerações conceituais de Danilo Perestrello e Abram Eksterman, psicanalistas brasileiros, cujo ponto nodal é o entendimento da doença somática em sua dimensão antropogênica. As ideias contidas nesse pensamento serão a base para a noção de adoecimento somático enquanto resposta às dificuldades presentes no campo relacional.


Palavras-chave


psicossomática; psicanálise; relação mente-corpo; adoecimento físico

Texto completo:

PDF

Referências


Aisenstein, M. (2005). Abordagem psicodinâmica do paciente psicossomático. In C. L. Eizirik, R. W. Aguiar & S. S. Schestatsky (Eds.), Psicoterapia de orientação analítica: fundamentos teóricos e clínicos (pp. 659-668). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Aisenstein, M. (2010). The mysterious leap of the somatic into the psyche. In M. Aisenstein & E. R. Aisemberg (Eds.), Psychosomatics today: a psychoanalytic perspective (S. Jaron, Trad., pp. 47-62). London: Karnac.

Alexander, F. (1989). Medicina psicossomática: princípios e aplicações. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Balint, M. (1987). Thrills and regressions. Connecticut: International Universities. (Trabalho original publicado em 1959).

Balint, M. (1988). O médico, seu paciente e a doença. Rio de Janeiro, RJ: Atheneu. (Trabalho original publicado em 1957).

Balint, M. (1993). A falha básica. Porto Alegre: Artes médicas. (Trabalho original publicado em 1968).

Bion, W. (1973). Conferências brasileiras. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Bion, W. (l977). Ataques al vinculo. In W. Bion, Volvendo a pensar. Buenos Aires: Paidós (Publicado originalmente em 1959).

Bowlby, J. (1951). Maternal care and mental health. Geneva: World Health Organization.

Bowlby, J. (2002). Apego e perda: a natureza do vínculo. São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1969).

Capra, F. & Luisi, P. L. (2015). A visão sistêmica da vida. São Paulo, SP: Cultrix.

Cheniaux, E. & Lyra, C. E. (2014). The dialog between psychoanalysis and neuroscience. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, 36(4), 186-192. doi:10.1590/2237-6089-2014-0010

Eksterman, A. (1975). Psicanálise, Psicossomática e Medicina da Pessoa. Relatório Oficial do I Encontro Argentino-Brasileiro de Medicina Psicossomática. Buenos Aires.

Eksterman, A. (2006). Introdução. In D. Perestrello (Ed.), A medicina da pessoa (pp. 7-25). Rio de Janeiro, RJ: Atheneu. (Trabalho original publicado em 1974).

Eksterman, A. (2010). Medicina psicossomática no Brasil. Porto Alegre, RS: Artmed.

Engel, G. (1962). Psychological development in Health and Disease. Philadelphia: W. B. Sauders.

Engel, G. (1967). The concept of psychosomatic disorder. Journal of Psychosomatic Research, 11(1), 3-9.

Fairbairn, W. R. D. (1980). Relações objetais e estrutura dinâmica. In W. R. D. Fairbairn, Estudos Psicanalíticos da Personalidade (pp. 108-119). Rio de Janeiro, RJ: Interamericana. (Trabalho original publicado em 1946).

Ferenczi, S. (2011). A criança mal acolhida e sua pulsão de morte. In S. Ferenczi, Obras completas (Psicanálise – IV, pp. 55-60). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1929).

Figueiredo, L. C. (2020). A falta que Bion faz. Revista Brasileira de Psicanálise, 54(1), 157-170.

Freud, S. (1974). Estudos sobre a histeria. Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1895).

Freud, S. (1974). Inibições, sintomas e angústia. Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1926).

Gurfinkel, D. (2017). Relações de objeto. São Paulo, SP: Blucher.

Jones, E. (1957). Sigmund Freud: life and work. Londres: Hogarth Press.

Kahtalian, A. (2002). A teoria da intersubjetividade na psicanálise contemporânea. XXIV Congresso Latinoamericano de Psicanálise. Montevideo: Uruguai.

Klein, M. (2006). Notas sobre alguns mecanismos esquizoides. Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1946).

Lessem, P. (2005). Self-psychology: an introduction. Lanham: Jason Aronson Inc.

Lipowski, T. (1977). Psychosomatic medicine in the seventies: an overview. American Journal of Psychiatry, 134(3), 233-244. doi:10.1176/ajp.134.3.233

Luchina, I. L. (1971). La interconsulta médico-psicológica en el marco hospitalario. Buenos Aires: Nueva Visión.

Marty, P. & M’Uzan, M. (1994). O pensamento operatório. Revista Brasileira de Psicanálise, 28(1), 165-174. (Trabalho original publicado em 1962).

Marty, P. (1993). A psicossomática do adulto. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Maslin, K. T. (2009). Introdução à filosofia da mente. Porto Alegre, RS: Artmed.

Mello Filho, J. (1979). Concepção Psicossomática: Visão Atual. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro.

Nunes, G. C. & Peixoto Junior, C. A. (2019). A experiência esquizoide segundo Fairbairn e Guntrip. Revista Ágora - Estudos em Teoria Psicanalítica, 22(1), 75-86.

Ogden, T. (1982). Projective Identification and psychotherapeutic technique. Lanham: Jason Aronson Inc.

Ogden, T. (2015). A matriz da mente: relações objetais e o diálogo psicanalítico. Londres: Karnac Books.

Peixoto Jr., C. A. (2013). Michael Balint: a originalidade de uma trajetória psicanalítica. Rio de Janeiro, RJ: Revinter.

Peixoto Jr., C. A. (2014). Personalidade, relações objetais e esquizoidia na obra de Ronald Fairbairn. Interação em Psicologia, 18(1), 85-94. doi:10.5380/psi.v18i1.28751

Perestrello, D. (2006). A medicina da pessoa. Rio de Janeiro, RJ: Atheneu. (Trabalho original publicado em 1974).

Ribeiro, M. (2016). Uma reflexão conceitual entre identificação projetiva e enactment. Cadernos de Psicanálise, 38(35), 11-28.

Ryle, G. (2009). The concept of mind. Londres: Routledge. (Trabalho original publicado em 1949).

Santos, L. N. & Peixoto Junior, C. A. (2019). O adoecimento somático em Ferenczi, Groddeck e Winnicott: uma nova matriz teórica. Psicologia: Ciência e Profissão, 39, 1-14. doi: 10.1590/1982-3703003182306.

Sifneos, P. (1973). The prevalence of ‘alexithymic’ characteristics in psychossomatics patients. Psychotherapy and Psychossomatics, 22(2), 255-262. doi:10.1159/000286529

Stolorow, R. D. & Atwood, G. E. (1984). Toward a science of human experience. Lanham: Jason Aronson Inc.

Tenenbaum, D. (2013). Da Medicina à Psicanálise: o corpo e a pesquisa psicossomática. Mesa Redonda "O Corpo: do Discurso Médico à Psicanálise". Rio de Janeiro, RJ: Universidade Santa Úrsula. (Trabalho original apresentado em 1993).

Tenenbaum, D. (2017). As principais tensões psicológicas presentes na prática assistencial hospitalar: uma pesquisa em psicologia hospitalar utilizando a hermenêutica psicanalítica. Curitiba, SC: Appris Editora.

Volich, R. M. (2007). Fundamentos psicanalíticos da clínica psicossomática. In R. M. Volich, F. C. Ferraz & M. C. Arantes (Eds.), Psicossoma II – Psicossomática Psicanalítica (pp. 17-31). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Volich, R. M. (2010). Psicossomática. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Winnicott, D. W. (1989). Psychosomatic disorder. In C. Winnicott, R. Shepherd & M. Davis (Eds.), Psychoanalytic explorations. London: Karnac. (Trabalho original publicado em 1964).

Winnicott, D. W. (1990). Natureza humana. Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1954).

Winnicott, D. W. (2000a). A preocupação materna primária. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 2000. (Trabalho original publicado em 1956).

Winnicott, D. W. (2000b). Aspectos clínicos e metapsicológicos da regressão no contexto analítico. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1954).

Winnicott, D. W. (2008). Da dependência à independência no desenvolvimento do indivíduo. Porto Alegre, RS: Artmed. (Trabalho original publicado em 1963).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2021v12n1p200

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)