O brasileiro no “Divã de procusto”: a psicanálise e seu discurso sobre o Brasil

Mauricio Cardoso da Silva Junior, Gustavo Adolfo Ramos Mello Neto

Resumo


A psicanálise, desde seus primeiros anos no Brasil, foi utilizada para o estudo de supostas singularidades características do sujeito nacional. Nos últimos trinta anos, aproximadamente, um boom de produções psicanalíticas sobre o brasileiro foram publicadas. A fim de compreender como nossos psicanalistas construíram suas conclusões, selecionamos algumas obras dando foco às referências utilizadas para suas respectivas fundamentações. Concluímos que nossos analistas têm buscado, para compreender os dilemas nacionais, referências do pensamento social brasileiro em comum, e, ao lerem tais referências não como interpretações, mas como “verdades”, acabam reproduzindo, no interior da psicanálise, ideologias que permeiam as obras dos pensadores que lhes servem como fonte.


Palavras-chave


Brasil; psicanálise; brasileiro; cultura

Texto completo:

PDF

Referências


Augras, M. (1995). As fontes explícitas da obra antropológica de Freud. In Psicologia e cultura: Alteridade e dominação no Brasil (pp. 27-46). Rio de Janeiro: NAU.

Backes, C. (2000). O que é ser brasileiro? São Paulo, SP: Escuta.

Barros, J. F., & Abrão, J. L. F. (2017). Psicanálise e educação no Brasil a partir de 1950: Um estudo histórico. Estilos da Clínica, 22(2), 370-387. doi:10.11606/issn.1981-1624.v22i2p370-387

Bastidas, C. (2002). Driblando a perversão: Psicanálise, futebol e subjetividade brasileira. São Paulo, SP: Escuta.

Botelho, A., & Schwarcz, L. M. (Eds.). (2009). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Calligaris, C. (2017). Hello Brasil! e outros ensaios: Psicanálise da estranha civilização brasileira. São Paulo, SP: Três Estrelas.

Castro, R. D. (2015). A sublimação do id primitivo em ego civilizado: O projeto dos psiquiatras-psicanalistas para civilizar o país (1926-1944). Jundiaí, SP: Paco Editorial.

Certeau, M. (1982). A escrita da história. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

DaMatta, R. (1997). Carnavais, malandros e heróis: Para uma sociologia do dilema brasileiro (6ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Rocco.

Damousi, J., & Plotkin, M. B. (2009). The transnational unconscious: Essays in the history of psychoanalisis and transnacionalism. Londres: Palgreve-Macmillan.

Dunker, C. I. L. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma: Uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo, SP: Boitempo.

Dussel, E. (2005). Europa, modernidade e eurocentrismo. In E. Lander (Ed.), Colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americanas (pp. 55-70). Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales – CLACSO.

Feres Junior, J. (2010). Introdução a uma crítica da modernidade enquanto conceito sociológico. Mediações, 15(2), 28-41.

Figueira, S. A. (Ed.). (1986). Uma nova família? O moderno e o arcaico na família de classe média brasileira. Rio de janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor.

Figueira, S. A. (1991). Machado de Assis, Roberto Schwarz: Psicanalistas brasileiros? In Nos bastidores da psicanálise: Sobre política, história, estrutura e dinâmica do campo psicanalítico (pp. 181-186). Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Figueiredo, L. C. (1995a). Modos de subjetivação no Brasil – e outros escritos. São Paulo, SP: Escuta.

Figueiredo, M. A. L. (1995b). Psicanálise brasileira: Um efeito lacaniano? In J. O. Outeiral (Ed.), Psicanálise brasileira: Brasileiros pensando a psicanálise (pp. 363-368). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Freud, S. (1996a). Dois verbetes de enciclopédia. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 18, pp. 251-274). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1922).

Freud, S. (1996b). O ego e o id. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 19, pp. 13-80). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1923).

Holanda, S. B. (2016). Raízes do Brasil. São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1936).

Kehl, M. R. (2018). O bovarismo brasileiro: Ensaios. São Paulo, SP: Boitempo.

Lander, E. (2005). Ciências sociais: Saberes coloniais e eurocêntricos. In E. Lander (Ed.), A colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. (pp. 8-23). Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales – CLACSO.

Laplanche, J. (2015). Sexual: A sexualidade ampliada no sentido freudiano 2000-2006. Porto Alegre, RS: Dubliense.

Leite, D. M. (1983). O caráter nacional brasileiro: História de uma ideologia. São Paulo, SP: Pioneira Editora.

Löwy, M. (2005). Walter Benjamin: Aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo, SP: Boitempo.

Mello Neto, G. A. R. (1995). Psicanálise extraclínica: Solipsismo sem fim? Cadernos de Metodologia e Técnicas de Pesquisa: Suplemento Psicologia,7(6), 37-47.

Ménard, R. (1991). Mitologia grego-romana (Vol. 3). São Paulo, SP: Opus.

Nascimento, W. F. (2009). A modernidade vista desde o Sul: Perspectivas a partir das investigações acerca da colonialidade. Padê: Estudos em Filosofia, Raça, Gênero e Direitos Humanos, 1(1/2), 1-19.

Outhwaite, W & Bottomore, T. (1996). Dicionário do pensamento social do Século XX. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Quijano, A. (1992). Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú Indígena, 12(29), 11-20.

Russo, J. (2002). O mundo psi no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Sampaio, A. (1996). Psicanálise: Dificuldades e impasses no fim do século. Cogito, 1, 11-15.

Santos, T. C. (1997). O movimento psicanalítico e a divulgação da psicanálise no Brasil. Revista do Tempo Psicanalítico,29, 171-189.

Schwarz, R. (2000). As ideias fora do lugar. In R. Schwarz (Ed.), Ao vencedor as batatas: Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo, SP: Duas Cidades/ Editora 34. (trabalho original publicado em 1977).

Soares, M. S. A. (1991). A sociologia modernizante na América Latina. São Paulo em Perspectiva, 5(1), 26-30.

Souza, O. (1994). Fantasia de Brasil. As identificações em busca da identidade nacional. São Paulo, SP: Escuta.

Torquato, L. C. (2015). História da psicanálise no Brasil: Enlaces entre o discurso freudiano e o projeto nacional. Revista de Teoria da História, 14(2), 47-77. doi:10.5216/rth.v12i2.39248




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p52

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)