Representações sociais sobre uso de cannabis entre jovens: estudo comparativo

Paola Souza Dias, Fernanda Gomes Palata, Marcelo Dalla Vecchia

Resumo


Buscou-se identificar e comparar as representações sociais sobre o consumo da maconha na perspectiva de dois grupos de jovens: frequentadores de uma universidade pública, e participantes não-universitários de um projeto social com oriundos de bairros periféricos. Os dados foram coletados em grupos focais, cada um com seis participantes, sendo a análise fundamentada na teoria das representações sociais e operacionalizada pela análise temática. Foram delimitadas categorias a posteriori: imagens da maconha, visão dos familiares, papel/lugar da maconha, motivação/influência para o uso, contexto de uso, posicionamento da escola/universidade e consequências. Observaram-se aproximações entre os grupos sobre a percepção de inocuidade da maconha por ser produto natural e a dificuldade de dialogar a respeito com os familiares, mas também diferenças, por exemplo, quanto a ser ou não a maconha porta de entrada para outras drogas. Discutir sobre a maconha ainda gera resistências e traz tabus, acentuando a necessidade de promoção de diálogos.


Palavras-chave


cannabis sativa; maconha; teoria das representações sociais; juventude; grupos focais

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A. G., Duarte, P. C. A. V., & Oliveira, L. G. (Eds.). (2010). I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e Outras Drogas entre Universitários das 27 Capitais Brasileiras. Brasília, DF: SENAD.

Arnaud, M. A F. (1996). Adolescência e maconha: A ilusão do poder (um estudo comparativo sobre a percepção de eventos utilizando-se o constructo Locus de Controle). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Bastos, F. I. P. M., Vasconcellos, M. T. L., Boni, R. B. D., Reis, N. B., & Coutinho, C. F. S. (Eds.). (2017). III Levantamento Nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira. Rio de Janeiro, RJ: FIOCRUZ/ICICT.

Bohn, A. C., Einsfeld, E., Guaragni, M. L., Rigoni, V., Silveira, E. G., & Ficagna, T. L. (2018). Efeitos da cannabis sativa no comportamento do usuário. Anais de Medicina, (1), 47- 48.

Borges, J. (2018). O que é encarceramento em massa? Belo Horizonte, MG Letramento: Justificando.

Carlini, E. A. (2006a). A história da maconha no Brasil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 55(4), 314-317. doi:10.1590/S0047-20852006000400008.

Carlini, E. A. (Ed.). (2006b). II Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: Estudo Envolvendo as 108 Maiores Cidades do País-2005. São Paulo, SP: CEBRID - Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. Disponível em http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/cuidados_prevencao_drogas/obid/publicacoes/Livros/II-Levantamento-Domiciliar-sobre-o-Uso-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-no-Brasil.pdf

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas [CREPOP] (2019). Documento de referências técnicas para a atuação de psicólogas (os) em políticas públicas de álcool e outras drogas. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia. Disponível em https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2019/09/AlcooleOutrasDrogas_web-FINAL.pdf

Coutinho, M. P. L., Araújo, L. F., & Gontiès, B. (2004). Uso da maconha e suas representações sociais: Estudo comparativo entre universitários. Psicologia em Estudo, 9(3), 469-477. doi:10.1590/S1413-73722004000300015

Cordeiro, I. L. S., Silva, D. M. A., & Dalla Vecchia, M. (2016). A escola diante do aluno que faz uso de álcool e drogas: O que dizem os professores? Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(2), 356-368.

Crippa, J. A. S., Zuardi, A. W., & Hallak, J. E. C. (2010). Uso terapêutico dos canabinoides em psiquiatria. Brazilian Journal of Psychiatry, 32(Suppl. 1), 556-566. doi:10.1590/S1516-44462010000500009

Crusoé, N. M. C. (2004). A teoria das representações sociais em Moscovici e sua importância para a pesquisa em educação. Aprender – Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação 2(2), 105-114.

Dayrell, J, Moreira, M. I. C., & Stengel, M. (Eds.). (2011). Juventudes contemporâneas: Um mosaico de possibilidades. Belo Horizonte, BH: PUC Minas.

Fonseca, A. A., Azevedo, R. L. W., Araújo, L. F., Oliveira, S. F., & Coutinho, M. P. L. (2007). Representações sociais de universitários de psicologia acerca da maconha. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(4), 442-443. doi:10.1590/S0103-166X2007000400004.

Gómez, J. L. G. (2001). Análise dos fatores de risco e de proteção para o consumo de drogas em adolescentes. In M. L. Marinho & V. E. Caballo (Eds.), Psicologia clínica e da saúde (pp. 55-75), Londrina, PR: Ed. UEL.

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas [INPAD]. (2014). II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas - LENAD. São Paulo, SP: UNIFESP. https://inpad.org.br/wp-content/uploads/2014/03/Lenad-II-Relat%C3%B3rio.pdf

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: Um domínio em expansão. In As representações sociais (pp.17- 44). Rio de Janeiro, RJ: UERJ.

Kind, L. (2004). Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista, 10(15) 124-136.

Laranjeira, R., Jungerman, S. F., & Dunn, J. (1998). Drogas: Maconha, cocaína e crack. São Paulo, SP: Editora Contexto.

Lessa, M. A., Cavalcanti, I. L., & Figueiredo, N. V. (2016). Derivados canabinóides e o tratamento farmacológico da dor. Revista Dor, 17(1), 47–51. doi:10.5935/1806-0013.20160012

MacRae, E., & Simões, J. A. (2000). Rodas de fumo: O uso da maconha entre camadas médias urbanas. Salvador, BA: EDUFBA.

Malcher-Lopes, R., & Ribeiro, S. (2007). Maconha, Cérebro e Saúde. Rio de Janeiro, RJ: Vieira &Lent.

Minayo, M. C. S. (Ed.). (2007). O desafio da pesquisa social. In Pesquisa social: teoria, método e criatividade (pp. 9-29). Petrópolis, RJ: Vozes.

Moreira, M. R., Carvalho, A. I., Ribeiro, J. M., & Fernandes, F. M. (2016). Agendas democráticas para o século XXI: Percepções dos(as) brasileiros(as) sobre descriminalização e legalização da maconha. Saúde em Debate, 40(Esp.), 163-175. doi:10.1590/0103-11042016s14

Moscovici, S. (2012). O fenômeno das representações sociais. In Representações sociais: Investigações em psicologia social (9ª ed., pp. 29-109). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Nascimento, H. S. P. (2018). As representações sociais e as relações de estigmatização sobre usuários de maconha. In E. F. Boesmans, N. N. L. Evangelista, & R. C. N. de Oliveira (Eds.), Série diversidade de práticas em psicologia (pp. 9–14). Fortaleza, CE: CRP11.

Oliveira, M., & Freitas, H. M. R., (1998). Focus Group - pesquisa qualitativa: Resgatando a teoria, instrumentalizando o seu planejamento. Revista de Administração, 33(3), 83-91.

Paulo, R. M., & Abreu, B. S. (2015). Cannabis no gerenciamento de patologias - Revisão de literatura. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, 4(2), 136-142.

Pereira, R. C. (2002). O consumo de drogas entre universitários da UFRPE. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Peuker, A. C., Fogaça, J., & Bizarro, L. (2006). Expectativas e beber problemático entre universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2) 193-200. doi:10.1590/S0102-37722006000200009.

Ribeiro, M., Marques, A. C. P. R., Laranjeira, R., Alves, H. N. P., Araújo, M. R., Baltieri, D. A. ... Silva, C. J. da. (2005). Abuso e dependência da maconha. Revista da Associação Médica Brasileira, 51(5), 241-255. doi:10.1590/S0104-42302005000500008

Rocha, A. P. (2013). Proibicionismo e a criminalização de adolescentes pobres por tráfico de drogas. Serviço Social & Sociedade (115), 561-580. doi:10.1590/S0101-66282013000300009.

Rybka, L. N., Nascimento, J. L., & Guzzo, R. S. L. (2018). Os mortos e feridos na “guerra às drogas”: Uma crítica ao paradigma proibicionista. Estudos de Psicologia 35(1), 99-109. doi:10.1590/1982-02752018000100010

Saad, L. (2018). “Fumo de negro”: A criminalização da maconha no pós-abolição. Salvador, BA: EDUFBA.

Saito, V., Wotjak, C., & Moreira, F. (2010). Exploração farmacológica do sistema endocanabinoide: Novas perspectivas para o tratamento de transtornos de ansiedade e depressão. Revista Brasileira de Psiquiatria, 32(suppl 1), 57–514. doi:10.1590/S1516-44462010000500004

Sousa, Y. S. O., Santos, M. F. S., & Acioli Neto, M. L. (2019). A psicologia social e os fenômenos relacionados ao “mundo das drogas”. In E. R. C. Morais, F. M. L. Cruz, M. F. S. Santos, & R. L. S. Aléssio (Eds.), Interação social e desenvolvimento humano (Vol. 1-Interfaces entre a psicologia do desenvolvimento e a psicologia social, pp. 349–379). Recife, PE: EdUFPE.

Sousa, Y.S. O., Santos, M. F. S., & Aléssio, R. L. S. (2018). Maconha e representações sociais em matérias de jornal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34 (e34420). doi:10.1590/0102.3772e34420.

Souza, E. C., Araújo, A. D. I. R., Silva, A. Z., Moura, N. S., & Machado, A. L. G (2011, outubro). Prevalência do uso de drogas entre acadêmicos de uma Universidade do Centro–Sul piauiense. Resumos do 20º Seminário de Iniciação Científica, Universidade Federal do Piauí, Aracaju/SE. Disponível em http://leg.ufpi.br/20sic/Documentos/RESUMOS/Modalidade/Vida/277281aa da22045c03945dcb2ca6f2ec.pdf.

Tavares, F. B., Silva, G. B., Tomaz, A. M., Bandeira, C. O., & Nepomucena, D. C. S. (2008, novembro). Intervindo na relação escola e drogas. Anais do 11º Encontro de Iniciação à Docência. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

United Nations Office on Drugs and Crime [UNODC]. (2017). World Drug Report 2017: Executive Summary-Conclusions and Policy Implications. Viena: United Nations Office onDrugsand Crime. Disponível em https://www.unodc.org/wdr2017/field/Booklet_1_EXSUM.pdf

Wagner, M. F. (2007). Habilidades sociais em adolescentes usuários de maconha. (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul-PUCRS, Porto Alegre.

Westphal, M. F., Bógus, C. M., & Faria, M.M. (1996). Grupos focais: Experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Boletim da Oficina Sanitária Panamericana, 120(6), 472-482.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p174

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)