Tecendo vias de superação dos danos gerados pelo transtorno mental

Priscila Maria Marcheti, Alexandra Ayach Anache

Resumo


O artigo visa identificar o movimento da subjetividade no processo de superação dos danos gerados pelo transtorno mental no processo de participação de uma oficina terapêutica. A subjetividade consiste em um sistema complexo de produção simbólico-emocional diante de situações vividas pelos indivíduos, associando dialeticamente as dimensões individual e social, os quais permitem a produção de sentidos subjetivos. Para tal, foi realizado um estudo de caso de uma mulher que participou por 10 semanas de uma oficina terapêutica de bordado no Centro de Atenção Psicossocial. As inter(invenções) construídas junto com a participante foram promovendo condições para a elaboração de novos sentidos subjetivos das situações que geraram danos na sua vida, as quais foram constitutivas da sua subjetividade. Essas mudanças foram identificadas na qualidade das suas relações familiares e nas relações de trabalho, logo contribuíram para o fortalecimento da qualidade de sua vida.

Palavras-chave


teoria da subjetividade; mulheres; educação; psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


Arpini, D. M., Siqueira, A. C., & Savegnago, S. D. O. (2012). Trauma psíquico e abuso sexual: O olhar de meninas em situação de vulnerabilidade. Psicologia: Teoria e prática, 14(2), 88-101.

Anache, A. A., & Martins, L. R. R. (2019). Subjetividade social em relação à educação especial e os desafios da formação docente. In M. Rossato, V. L. A. Peres (Eds.), Formação de educadores e psicólogos: Contribuições e desafios da subjetividade na perspectiva cultural-histórica. (pp. 69-811). Curitiba, PR: Appris.

Ministério da Saúde. Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva. (2011). Guia Prático de matriciamento em saúde mental. Brasília, DF. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. (2015). Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: Orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Brasília, DF. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/centros_atencao_psicossocial_unidades_acolhimento.pdf

Brun, M., & Blasi, M. (2016). Quando o bordado e as histórias das mulheres se encontram. Coisas do Gênero: Revista de Estudos Feministas em Teologia e Religião, 2(2), 335-349.

Farias, I. D., Thofehrn, M. B., Andrade, A. P. M., Carvalho, L. A., Fernandes, H. N., & Porto, A. R. (2016). Oficina terapêutica como expressão da subjetividade. SMAD. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas 12(3), 147-153. doi:10.11606/issn.1806-6976.v12i3p147-153

Fhilippini, A. (2018). Linguagens, materiais expressivos em arteterapia: Uso, indicações e propriedades. Rio de Janeiro, RJ: Wak Ed.

González Rey, F. L. (2003). Sujeito e subjetividade: Uma aproximação histórico-cultural. São Paulo, SP: Thomson Learning.

González Rey, F. L. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: Os processos de construção da informação. São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning.

González Rey, F. L. (2007). Psicoterapia, subjetividade e pós-modernidade: Uma aproximação com a perspectiva histórico-cultural. São Paulo, SP: Thomson Learning.

González Rey, F. L. (2011). Subjetividade e saúde: Superando a clínica da patologia. São Paulo, SP: Cortez.

González Rey, F. L. (2016). Advancing on the topics of the social and subjectivity from a cultural-historical approach: Moments, paths and contradictions. Journal of the Theoretical and Philosophical Psychology, 36, 175-189.

González Rey, F. L., & Martinez, A. M. (2017). Subjetividade: Teoria, epistemologia e método. Campinas, SP: Editora Alínea.

González Rey, F. L., & Mitjáns Martínez, A. (2019). A preparação para o exercício da profissão docente: Contribuições da teoria da subjetividade. In M. Rossato, & V. L. A. Peres (Eds.), Formação de Educadores e psicólogos: Contribuições de desafios da subjetividade na perspectiva cultural-histórica (pp. 13-46). Curitiba, PR: Appris.

Goulart, D. M. (2019). Saúde mental, desenvolvimento e subjetividade: Da patologização à ética do sujeito. São Paulo, SP: Cortez.

Lira, M. O. S. C., Rodrigues, V. P., Rodrigues, A. D., Couto, T. M., Gomes, N. P., & Diniz, N. M. F. (2017). Abuso sexual na infância e suas repercussões na vida adulta. Texto & Contexto - Enfermagem, 26(3), e0080016. doi:10.1590/0104-07072017000080016

Lopes, M. N., Dellazzana-Zanon, L. L., & Boeckel, M. G. A. (2014). Multiplicidade de papéis da mulher contemporânea e a maternidade tardia. Trends in Psychology, 22(4), 917-928. doi:10.9788/TP2014.4-18

Nobrega, M. P. S. S., Domingos, A. M., Silveira, A. S. A., & Santos, J. C. (2017). Tecendo a rede de atenção psicossocial oeste do município de São Paulo. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(5), 965-972. doi:10.1590/0034-7167-2016-0566

Organização Mundial da Saúde. (2011). Mulheres e saúde: Evidências de hoje, agenda de amanhã. Brasília, DF: Disponível em https://www.who.int/eportuguese/publications/Mulheres_Saude.pdf?ua=1

Organização Pan-Americana da Saúde (2018). Determinantes sociais e riscos para a saúde, doenças crônicas não transmissíveis e saúde mental: Folha informativa - transtornos mentais. Brasília, DF. Disponível em https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5652:folha-informativa-transtornos-mentais&Itemid=839

Reis, A. C. (2014). Arteterapia: A arte como instrumento no trabalho do psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(1) 142-157. https://doi.org/10.1590/S1414-98932014000100011

Rossato, M., & Martinez, A. M. (2013). Desenvolvimento da subjetividade: Análise de histórias de superação das dificuldades de aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, 17(2), 289-298.

Rossato, M.; Martins, L. R. R., & Martinez, A. M. (2014). A construção do cenário social da pesquisa no contexto da epistemologia qualitativa. In A. M. Martinez, M. Neubern, & V. D. Mori (Eds.), Subjetividade contemporânea: Discussões epistemológicas e metodológicas (pp. 35–59). Campinas, SP: Alínea.

Rossato, M., & Assunção, R. (2019) O desenvolvimento subjetivo no processo da formação docente. In M., Rossato, & V. L. A. Peres (Eds.), Formação de educadores e psicólogos: Contribuições e desafios da subjetividade na perspectiva cultural-histórica (pp. 47-67). Curitiba, PR: Appris.

Santin, G., & Klafke, T. E. (2011). A família e o cuidado em saúde mental. Barbaroi, (34) 146-160.

Scalise, L. N., & Anache, A. A. (2019). A ação docente na pós-graduação sob a perspectiva cultural histórica: A criatividade em foco. Obutchénie: Revista de Didática e Psicologia Pedagógica. 3(1), 135-157. doi:10.14393/OBv3n1.a2019-50594

Senicato, C., Azevedo, R. C. S, & Barros, M. B. A. (2018). Transtorno mental comum em mulheres adultas: Identificando os segmentos mais vulneráveis. Ciência & Saúde Coletiva, 23(8), 2543-2554. doi:10.1590/1413-81232018238.13652016

Steel, Z., Marnane, C., Iranpour, C., Chey, T., Jackson, J.W., Patel, V., & Silove, D. (2014). The global prevalence of common mental disorders: A systematic review and meta-analysis 1980-2013. Internacional Journal of Epidemiology, 43(2), 476-493. doi: 10.1093/ije/dyu038

Toassa, G. (2011). Emoções e vivências em Vigotski. São Paulo, SP: Papirus.

Vinha, M. P., & Welcman, M. (2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia, Lev Semionovich Vigotski. Psicologia USP, 21(4), 681-701. doi:10.1590/S0103-65642010000400003




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n1p03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)